Bolsas de NY terminam o dia com desvalorização

O mercado de ações norte-americano começou a semana em baixa, com as ações da Boeing e da Dell Computer caindo em reação a comentários de analistas, enquanto as da General Motors subiram em meio ao otimismo com relação aos lucros da montadora. O setor de tecnologia deu continuidade às acentuadas perdas sofridas na semana passada. "Quando você vê a economia desacelerar e o mercado começa a recuar, a tecnologia tende a liderar o movimento de baixa", disse o presidente da James Advantage Funds, Barry James. As ações da Boeing, componente do índice Dow Jones, caíram 3,4% depois do Wachovia Securities ter rebaixado sua recomendação para o papel de "outperform" (com desempenho acima da média do mercado) para "market perform" (desempenho igual à média do mercado), citando que o ciclo de encomendas de aeronaves comerciais pode ter atingido seu auge e a preocupação com o potencial de atrasos no programa dos aviões 787. As ações da GM, também componente do Dow Jones, subiram 2,5% e atingiram seu nível mais elevado em dois meses, de US$ 32,35, com os investidores parecendo esperançosos de que a montadora poderá anunciar lucros acima das expectativas no dia 30. Por outro lado, as ações de outra componente do Dow Jones, da Pfizer, caíram 1%, depois da companhia farmacêutica ter informado que espera uma receita "comparável" aos níveis de 2006 nos próximos dois anos. Para compensar a perda da exclusividade de seus remédios mais vendidos, a Pfizer também anunciou um corte de 10 mil postos de trabalho até o fim de 2008. No setor de tecnologia, as ações da Dell caíram 2,1%, depois da UBS ter rebaixado sua estimativa de lucro da companhia e o preço-alvo para a ação, citando preocupações com relação à perda de participação no mercado. As ações de outra blue chip (empresa com ação de primeira linha), a Intel caíram 0,1%, mesmo depois de ter alcançado um acordo com a Sun Microsystems, que irá agora usar seus chips. As ações da Sun Microsystems caíram 0,4%, enquanto as da rival da Intel, Advanced Micro Devices (AMD), que saiu prejudicada com o acordo, caíram 1,1%. Além disso, as expectativas com relação à atual temporada de balanços continuam a pesar sobre o setor de tecnologia. "As pessoas estão olhando para frente e sentem um pouco de cautela com relação aos próximos resultados" das empresas de tecnologia, disse o chefe de transações da Rydex Investments, Stephen Sachs, citando as expectativas com relação ao balanço da Texas Instruments, esperado para depois do fechamento do mercado. A agenda de balanços da semana também prevê a divulgação dos resultados da Microsoft Corp e do Yahoo Inc. "O Nasdaq teve um desempenho abaixo da média na semana passada, portanto, até que tenhamos alguma ação positiva daquele setor, a tendência de vendas vai permanecer no lugar", disse Sachs. Índices O índice Dow Jones fechou em queda de 88,37 pontos, ou 0,70%, em 12.477,16 pontos. A mínima foi em 12.450,89 pontos e a máxima em 12.572,58 pontos. O Nasdaq encerrou com baixa de 20,24 pontos, ou 0,83%, em 2.431,07 pontos, com mínima em 2.422,92 pontos e máxima em 2.454,66 pontos. O Standard & Poor's-500 caiu 7,55 pontos, ou 0,53%, para 1.422,95 pontos. O NYSE Composite caiu 48,61 pontos, ou 0,53%, para 9.130,92 pontos. O volume negociado na NYSE ficou em 1,545 bilhão de ações, de 1,688 bilhão na sexta-feira; 1.200 ações subiram, 2.116 caíram e 150 fecharam nos mesmos níveis da sexta-feira. No Nasdaq, o volume ficou em 1,913 bilhão de ações negociadas, de 2,070 bilhões na sexta-feira, com 1.065 ações fechando em alta e 1.996 em queda. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.