Bolsas de NY viram e sobem com discurso de Obama

Dow Jones subia 0,17%  após ter registrado mínima no dia de 11.016,40 pontos. O Nasdaq subia 0,58% e o S&P 500 operava em alta de 0,28%, a 1.209 pontos.

Gustavo Nicoletta, da, Agência Estado

22 de abril de 2010 | 16h45

Os principais índices do mercado de ações dos EUA operam em alta antes do fechamento, mas perto da estabilidade, impulsionados por dados que mostraram um aumento nas vendas de residências usadas no país, embora a notícia de que a agência de classificação de risco Moody''s rebaixou o rating da dívida grega limite os ganhos.

Alguns investidores disseram que as bolsas também recebiam suporte do tom menos ameaçador que o esperado adotado pelo presidente dos EUA, Barack Obama, durante um discurso em Nova York sobre a reforma do sistema financeiro. "A retórica parece estar centrada em sinalizar uma parceria com Wall Street", disse Craig Peckham, estrategista de negociações com ações da Jefferies. "Os participantes estavam preparados para um tom mais negativo."

Às 16h48 (de Brasília), o Dow Jones subia 0,17%, para 11.144 pontos, após ter registrado mínima no dia de 11.016,40 pontos. O Nasdaq subia 0,58%, para 2.519 pontos, e o S&P 500 operava em alta de 0,28%, a 1.209 pontos.

Algumas horas após a abertura dos mercados de ações nos EUA, a Moody''s rebaixou o rating dos bônus da Grécia para A3, de A2, e os colocou em avaliação para possível rebaixamento futuro, argumentando que a decisão foi baseada na visão de que há um risco significativo de que a dívida grega só possa se estabilizar em um patamar superior e mais caro do que o estimado anteriormente.

Na manhã de hoje, a agência de estatísticas da União Europeia, a Eurostat, divulgou que o déficit orçamentário da Grécia em 2009 atingiu 13,6% do Produto Interno Bruto (PIB) e pode ser revisado para um número ainda mais alto, reduzindo ainda mais as esperanças de que o país conseguiria contornar seus problemas fiscais sem recorrer a um pacote de auxílio elaborado por seus pares europeus e pelo Fundo Monetário Internacional.

Dados divulgados pela Associação Nacional dos Corretores de Imóveis (NAR, na sigla em inglês), no entanto, serviam de suporte aos índices de ações. Segundo um relatório do órgão, as vendas de imóveis residenciais usados nos EUA subiram 6,8% em março, para a taxa anual de 5,35 milhões. Analistas ouvidos pela Dow Jones esperavam que as vendas crescessem 3,8%. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasDow JonesNasdaq

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.