Bolsas de NY viram para baixo com petróleo

As ações viraram para baixo em Nova York, depois da abertura positiva, em meio aos comentários de representantes do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), anúncios de fusões no setor de tecnologia e o recuo dos preços do petróleo. O índice Dow Jones, que subiu mais de 40 pontos na abertura, estava em queda de 0,29%, em 10.982 pontos, às 12h35 (de Brasília). O S&P 500 caía 0,43% e o Nasdaq, 0,42%. Os títulos do Tesouro dos EUA (Treasuries) estão em queda, projetando juro em alta. O título de dez anos projetava juro de 5,1528%. O dólar avança. O euro estava em US$ 1,2565, de US$ 1,2639 na sexta-feira. Frente ao iene, o dólar estava em 115,35, de 115,13 ienes. Nas bolsas, os investidores continuam cautelosos, mesmo depois do rali do meio da semana passada. O Dow Jones ganhou mais de 300 pontos em dois dias após a divulgação dos últimos dados de inflação e os comentários do presidente do Fed, Ben Bernanke. Enquanto os eventos praticamente confirmaram que haverá mais uma alta de 0,25 ponto percentual no juro do Fed na reunião dos dias 28 e 29 próximos, os operadores já precificavam esta elevação e impulsionaram as ações no que Bob Hynes, analista da IFR Markets, chamou de um "rali de resignação". Agora, a especulação se volta para o encontro seguinte do Fed, em 8 de agosto, mas os dados e discursos desta semana deverão dar poucos indícios sobre a próxima decisão para a política monetária. O presidente do Fed de Atlanta, Jack Guynn, membro votante do BC dos EUA, falou sobre a economia norte-americana para um grupo de banqueiros na Flórida. Reiterando comentários anteriores, ele se declarou um pouco preocupado com o nível da inflação atual. O preço do petróleo caía US$ 1,30 para US$ 68,90 o barril para entrega em agosto, em meio às contínuas preocupações em relação às ambições nucleares do Irã e sobre como isto poderá afetar a oferta de petróleo. Analistas do Citigroup disseram que "um aperto do banco central do Japão e talvez da China não favorecem a continuidade do entusiasmo com as commodities". A Nokia e a Siemens anunciaram que vão combinar suas unidades de equipamentos de telefonia numa joint venture, acelerando a consolidação no setor de telecomunicações. A empresa terá ativos avaliados em mais de US$ 30 bilhões. As ações da Siemens subiram 5,8% e as da Nokia estavam em alta de 1,4%. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.