Bolsas de N.York atingem novos recordes de fechamento

As bolsas de Nova York atingiram novos recordes de fechamento nesta terça-feira, impulsionadas por perspectivas positivas sobre a economia dos Estados Unidos, o aumento da confiança das pequenas empresas do país e o comentário de um gestor de fundos de hedge sobre o otimismo com o mercado.

AE, Agencia Estado

14 de maio de 2013 | 18h30

O índice Dow Jones subiu 123,57 pontos (0,82%) e fechou a 15.215,25 pontos, nível recorde. O S&P 500 ganhou 16,57 pontos (1,01%), encerrando a 1.650,34 pontos, atingindo a máxima história de fechamento pela terceira sessão consecutiva. O Nasdaq avançou 23,82 pontos (0,69%) e fechou a 3.462,61 pontos.

A Federação Nacional de Empresas Independentes (NFIB, na sigla em inglês) anunciou que o índice de confiança das pequenas empresas subiu para 92,1 em abril, de 89,5 em março, superando a previsão dos economistas de alta para 91,0. Também impulsionou os índices a declaração do gestor de fundos de hedge David Tepper, da Appaloosa Management, à CNBC, de que está "definitivamente otimista" com o mercado. Tepper citou as melhoras nos mercados imobiliário e automobilístico.

Michael Marrale, da IRG, disse que os comentários dele tranquilizaram os investidores. "O que Tepper disse é que não há outro lugar para receber o dinheiro e que o mercado não deve se preocupar com um aperto monetário do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA). Se ele ocorrer, é porque o Fed vê a economia melhorando", disse.

No noticiário corporativo, com a agenda de balanços vazia, o Bank of America liderou os ganhos no Dow, subindo 2,8%. American Express ganhou 2,5% e Travelers avançou 1,6%. A Intel, no entanto, caiu 1%, refletindo a relativa fraqueza das companhias de tecnologia. A Apple, por exemplo, recuou 2,4%. Todos os dez setores do S&P 500 encerraram o pregão em território positivo nesta terça-feira. As ações que mais subiram foram as dos setores industrial, financeiro e de energia, que costumam estar mais ligadas à melhora da economia global.

Na Europa, as bolsas fecharam em alta, beneficiadas pelo avanço dos índices acionários norte-americanos e por alguns balanços bons, como os do banco italiano Intesa Sanpaolo e da fabricante de aviões Eads. A forte demanda atraída pela emissão de bônus de dez anos do governo da Espanha também contribuiu para o tom positivo dos mercados. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Dow JonesNasdaqfechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.