Bolsas dos EUA fecham em alta diante de bons dados

As bolsas de Nova York fecharam o pregão desta segunda-feira, 17, em alta à medida que os investidores deixaram de lado o temor com a crise no Leste Europeu e passaram a focar os bons dados da economia dos Estados Unidos divulgados hoje.

MATEUS FAGUNDES, Agencia Estado

17 de março de 2014 | 20h25

O índice Dow Jones subiu 181,55 pontos (1,13%) e encerrou o pregão em 16.247,22 pontos. O índice Nasdaq avançou 34,55 pontos (0,81%), a 4.279,95 pontos. O índice S&P-500 ganhou 17,70 pontos (0,96%), a 1.858,83 pontos.

A produção industrial norte-americana registrou alta de 0,6% em fevereiro na comparação com janeiro, em termos sazonalmente ajustados, informou o Federal Reserve. O avanço ficou acima da expectativa dos economistas ouvidos pela Dow Jones, que esperavam ganho de 0,1%. A utilização da capacidade instalada subiu 0,3 ponto porcentual, para 78,8%, ante previsão de 78,5%.

O resultado deu novo ânimo aos investidores de risco e apoiaram a ideia de que o crescimento econômico dos EUA ainda está no caminho certo. "Os dados ruins do início do ano tiveram mais a ver com o inverno rigoroso do que com um enfraquecimento da atividade subjacente", afirmou Alan Gayle, diretor de alocação de ativos da RidgeWorth Investments.

A situação da economia dos Estados Unidos voltaram ao foco dos investidores após uma semana tensa, na qual a crise no Leste Europeu influenciou fortemente os mercados. O referendo de ontem na Crimeia mostrou que a maior parte da população apoiam a reanexação da península ao território Rússia, um movimento considerado ilegítimo pelas potências ocidentais.

As sanções econômicas e políticas que se seguiram foram consideradas brandas pelos investidores e parecem querer afetar mais agentes específicos do que as relações econômicas russas com a comunidade internacional.

"O que vimos hoje é, basicamente, os investidores decolando de ativos mais seguros, para os quais eles fugiram na semana passada, para posições de maior risco, uma vez que o desenrolar da crise foi melhor do que o esperado", disse o diretor de derivativos do UBS nos EUA, Jeffrey Yu.

Nas notícias corporativas, o destaque ficou para o setor de tecnologia. As ações do Yahoo subiram 4% após a empresa de e-commerce Alibaba Group, da qual o Yahoo detém uma grande participação, informar que está planejando uma oferta pública inicial de ações. A Hertz Global Holdings ganhou 4,8% depois de relatos que planeja desmembrar o seu setor de aluguel de equipamentos.

Já os papéis do provedor de infraestrutura de web VeriSign caíram 5,8% depois que o governo informar que planeja abandonar a supervisão do órgão que gerencia os endereços e os nomes de domínio da internet.

Na Europa, as bolsas também fecharam com altas significativas. O índice pan-europeu Stoxx 600 avançou 1,12%, encerrando o dia a 325,83 pontos. Em Paris, o índice CAC-40 subiu 1,32%, a 4.271,96 pontos, enquanto o DAX, das ações mais negociadas em Frankfurt, ganhou 1,37%, a 9.180,89 pontos. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas de valores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.