Bolsas em Nova York fecham em queda

Investidores especulam se o Federal Reserve vai ou não voltar a fazer grandes compras de títulos do Tesouro

Renato Martins, da Agência Estado,

29 de setembro de 2010 | 17h17

O mercado norte-americano de ações fechou em queda. A baixa das ações dos setores financeiro e de bens de consumo contrabalançou a alta das ações do setor de energia, que acompanharam o avanço dos preços do petróleo. Os principais índices do mercado subiram brevemente no fim da manhã, quando o Departamento de Energia dos EUA informou que os estoques de petróleo diminuíram na semana passada. As ações do setor de energia passaram a subir, mas o efeito foi contrário no caso das ações de bens de consumo, já que combustível mais caro significa menos dinheiro disponível para outras compras.

 

A incerteza sobre se o Federal Reserve vai ou não voltar a fazer grandes compras de títulos do Tesouro foi alimentada por declarações de três dirigentes de distritos do Fed. Soma-se a isso a incerteza quanto ao resultado das eleições legislativas de novembro, num momento em que as taxas de aprovação ao governo do presidente Barack Obama estão caindo.

 

"Não houve nenhuma mudança de tema quanto à situação da economia e acho que é isso o que conteve o mercado hoje. Este é o problema: toda essa incerteza sobre o freio que Washington representa para a economia e o mercado de ações", disse o estrategista David Kelly, da JPMorgan Funds.

 

As ações do setor financeiro caíram, depois de o Departamento do Tesouro anunciar que vai começar a vender ações preferenciais do Citigroup no mercado, na via de devolver ao setor privado a participação que assumiu como uma das medidas para conter a crise financeira de 2008 (American Express -1,56%, Bank of America -1,21%, JPMorgan -1,39%). Outros destaques negativos do pregão foram DuPont (-2,50%) e Intel (-1,23%). As ações da Hewlett-Packard subiram 2,16%, depois de a empresa oferecer sua projeção de receita para o ano.

 

O índice Dow Jones fechou em queda de 22,86 pontos (0,21%), em 10.835,28 pontos. O Nasdaq fechou em queda de 3,03 pontos (0,13%), em 2.376,56 pontos. O S&P-500 fechou em baixa de 2,97 pontos (0,26%), em 1.144,73 pontos. O NYSE Composite fechou em queda de 11,01 pontos (0,15%), em 7,299,31 pontos.

 

Os preços dos títulos do Tesouro dos EUA recuaram pela primeira vez nesta semana, com correspondente alta nos juros. O mercado reagiu a declarações de dirigentes do Fed, que reduziram as expectativas de que a instituição volte a comprar Treasuries para injetar dinheiro na economia e estimular sua recuperação.

 

O presidente do Fed de Boston, Eric Rosengren, disse que a adoção de novas medidas monetárias de estímulo dependerá dos indicadores. O presidente do Fed de Filadélfia, Charles Plosser, afirmou que é contra a ideia de o Fed fazer uma nova rodada de afrouxamento quantitativo.

 

Essas declarações, feitas no começo da tarde, detiveram um movimento de alta dos preços dos Treasuries que se seguiu ao leilão de US$ 29 bilhões em T-notes de 7 anos, que o Tesouro colocou à taxa mais baixa de todos os tempos, tal como havia acontecido na segunda-feira, no leilão de T-notes de 2 anos, e na terça, no leilão de T-notes de 5 anos.

 

Com a operação de hoje, o Tesouro elevou sua oferta de novos títulos no atual ano fiscal, que termina amanhã, para o recorde histórico de US$ 2,3 trilhões.

 

"Apesar de taxas de retorno em mínimas históricas, aqueles que participaram dos leilões continuaram focados na estabilidade do mercado de Treasuries e, por alguma razão, continuam a acreditar que os juros estão atraentes nos níveis atuais", comentou Dan Greenhaus, estrategista-chefe para bônus da Miller, Tabak & Co.

 

Para Mary Ann Hurley, vice-presidente de operações da DA Davidson, "foi uma semana de leilões muito bem sucedida. Mas estamos na ponta mais alta da faixa de preços a que os bônus têm sido negociados, e os investidores precisam de um novo gatilho que os leve a aumentar suas posições".

 

No fechamento em Nova York, o juro projetado pelos T-bonds de 30 anos estava em 3,684%, de 3,657% ontem; o juro das T-notes de 10 anos estava em 2,499%, de 2,465% ontem; o juro das T-notes de 2 anos estava em 0,437%, de 0,422% ontem. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasDow JonesNasdaq

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.