Bolsas em NY abrem em baixa com indicador fraco

As bolsas em Nova York abriram em baixa, em reação à divulgação do número de obras residenciais iniciadas em janeiro nos Estados Unidos, que tiveram queda forte de 14,3%. Além disso, influenciam no comportamento negativo dos índices a perda de 1,8% das ações da Microsoft no pré-mercado. Às 12h36 (de Brasília), o Dow Jones recuava 0,01%; o Nasdaq perdia 0,29%; e o S&P 500 operava em -0,16%. O executivo-chefe da Microsoft, Steve Ballmer, alertou que as previsões de alguns analistas para as vendas de computadores pessoais podem estar otimistas demais. O Merrill Lynch reiterou a recomendação de compra dos papéis da empresa, afirmando que a administração da Microsoft pode estar conservadora. O contraponto positivo vem das notícias e rumores sobre fusões e aquisições. Os papéis da AMR subiam 3,4%. A controladora da American Airlines, de acordo com fontes próximas do assunto, é alvo do interesse de um grupo que inclui o Goldman Sachs e a British Airways. O banco texano Compass Bancshares tinha ganho de 6%, com o anúncio de que o espanhol BBVA irá comprá-lo por US$ 9,6 bilhões, por meio de um acordo envolvendo dinheiro e ações. Coca-Cola, que faz parte do índice Dow Jones, registrava expansão de 1,2%, após ter tido a recomendação para suas ações elevada de neutra para comprar pelo Goldman Sachs. Também componente do Dow, Honeywell tinha avanço de 1,7%, com o anúncio de um novo programa de recompra de ações avaliado em US$ 3 bilhões. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.