BOLSAS EUROPÉIAS CAEM, EXCETO LONDRES

A maioria das Bolsas européias fechou em baixa, em reação à alta dos preços do petróleo e à queda do dólar frente ao euro. A exceção foi Londres, que teve uma alta modesta, liderada pelas ações do setor de mineração. O dia também foi rico em notícias sobre fusões e aquisições. Em Estocolmo, as ações da mineradora sueca Lundin subiram 5,3%, depois de a empresa anunciar um acordo para a compra da EuroZinc; no setor de tecnologia, as da WM-Data subiram 7,1%, com o anúncio de sua aquisição pela britânica Logica-CMG. As ações da Schindler caíram 3,2% na Bolsa de Zurique, em reação a rebaixamento de recomendação pelos analistas do JP Morgan. Na Bolsa de Londres, o índice FT-100 fechou em alta de 11,8 pontos (0,20%), em 5.915,2 pontos. A alta foi liderada pelas ações do setor de mineração, que subiram em reação a informes de fusões e ao avanço dos preços dos metais. As ações da Anglo American Subiram 3,63%, depois de o jornal The Observer dizer que a brasileira Vale do Rio Doce, a Xstrata e a Rio Tinto estudam fazer uma oferta pela empresa e contrataram conselheiros financeiros para prepará-la. No setor de tecnologia, as ações da Logica-CMG caíram 7,54%, depois de a empresa anunciar um acordo para a compra da WM-Data, da Suécia, por US$ 1,7 bilhão; os analistas do Deutsche Bank rebaixaram sua recomendação. A Bolsa de Paris fechou com o índice CAC-40 em queda de 31,04 pontos (0,60%), em 5.104,65 pontos. Operadores disseram que os investidores realizaram lucros, depois das altas da semana passada. As ações da Total subiram 0,76%, em reação à alta dos preços do petróleo; as da Renault caíram 0,94% e as da Peugeot-Citröen recuaram 0,60%. Entre as ações que cederam à realização de lucros estavam BNP Paribas (-1,80%, EADS (-1,85%) e Alcatel (-1,76%). No setor farmacêutico, as ações da Sanofi-Aventis caíram 1,70%, com o mercado mostrando nervosismo antes de um tribunal norte-americano decidir se a Apotex poderá comercializar uma versão genérica do medicamento Plavix, desenvolvido pela companhia francesa. Na Bolsa de Frankfurt, o índice Xetra-DAX fechou em queda de 22,19 pontos (0,38%), em 5.794,83 pontos. Um operador observou que os volumes foram reduzidos e que o dia foi fraco em notícias que dessem impulso ao mercado. As ações da DaimlerChrysler caíram 0,85%, depois de um tribunal alemão decidir que a empresa terá que reembolsar um grupo de acionistas minoritários cujas ações da antiga Daimler-Benz se desvalorizaram quando ela se fundiu à norte americana Chrysler em 1988. As ações da ThyssenKrupp caíram 1,57%, em reação à baixa do dólar. Operadores disseram que nesta terça-feira o mercado estará atento ao indicador de encomendas à indústria da zona do euro e às pesquisas ZEW, sobre a economia alemã, e IFO, sobre a economia global. O índice S&P-Mib, da Bolsa de Milão, fechou em queda de 110 pontos (0,29%), em 37.439 pontos. Segundo operadores, os volumes foram muito reduzidos. As ações da Alitalia caíram 1,07%, devido à realização de lucros, depois da alta de 4,6% ocorrida na sexta-feira. As da Saipem subiram 0,41%, em reação à alta dos preços do petróleo. Na Bolsa de Madri, o índice Ibex-35 fechou em queda de 12,90 pontos (0,11%), em 12.054,90 pontos. De acordo com operadores, o mercado reagiu à alta dos preços do petróleo e os volumes foram reduzidos, na falta de notícias sobre empresas e de indicadores econômicos. As ações da Iberia caíram 2,05%; as da NH Hoteles subiram 5,57%, refletindo especulações de que haveria uma oferta para a aquisição da empresa. Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 fechou em queda de 41,65 pontos (0,42%), em 9.861,94 pontos. As ações do Banco Comercial Português caíram 0,85% e as da Portugal Telecom recuaram 0,61%, em meio a informes de que a SonaeCom não deverá melhorar sua oferta para a aquisição da PT. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.