Bolsas européias cedem, influenciadas por bancos

As principais bolsas européias operam com pequena queda, em parte prejudicadas pelo setor bancário. As ações do banco espanhol BBVA desvalorizavam 4%, após o banco informar que planeja emitir 196 milhões de novas ações para financiar a aquisição de US$ 9,6 bilhões do banco norte-americano sediado no Texas Compass Bancshares. O banco espanhol entrou no mercado dos EUA no ano passado ao comprar duas outras instituições texanas, a Texas Regional Bancshares e a State National Bancshares. Essas duas aquisições exigiram um aumento de capital de 3 bilhões de euros para ajudar a reparar seu balanço de pagamentos. O BBVA também anunciou hoje a venda de sua fatia no grupo de energia Iberdrola, cujas ações perdiam 0,3%. Ainda no setor bancário, o sueco Swedbank perdia 3%, embora tenha anunciado um aumento maior do que o esperado de seu lucro no quarto trimestre. Os investidores mostraram-se preocupados com os aumentos dos custos. HSBC Holdings perdia 0,2%, após afirmar que concordou em vender sua fatia de 27% no Ping An Bank Ltd. para o Shenzhen Commercial Bank Company. O grupo imobiliário francês Gecina, ao contrário, ganhava 7,2%, após anunciar que seu lucro líquido triplicou em 2006, graças ao aumento da receita com aluguéis e da expansão do valor de seu portfólio de propriedades. Ainda na França, Michelin ganhava 5,2%, já que sua reestruturação anunciada ontem provocou uma onda de elevações de sua recomendação por parte de corretoras. Em Londres, SABMiller devolvia os ganhos do pregão de ontem, que haviam sido estimulados pela expectativa de uma nova onda de consolidação entre as cervejarias internacionais. Essas expectativas diminuíram hoje. As mineradoras também recuavam, em meio à volatilidade recente dos preços dos metais (BHP Billiton -1,1%, Antofagasta -1,3% e Lonmin -1,2%). Às 9h53 (de Brasília), o índice FT-100, da Bolsa de Londres, caía 0,13%. O índice Dax, da Bolsa de Frankfurt, perdia 0,09% e o índice CAC-40, da Bolsa de Paris, recuava 0,12%. As informações são de agências internacionais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.