Bolsas européias encerram com fortes perdas

Os principais índices das bolsas da Europa encerraram a segunda-feira com quedas fortes, refletindo baixa dos preços das commodities e preocupação com a inflação nos EUA, onde as bolsas também caem. O índice FT-100, da Bolsa de Londres, fechou em queda de 124,7 pontos (2,20%), em 5.532,7 pontos. O mercado acompanhou as quedas fortes das Bolsas asiáticas, em reação à baixa dos preços das commodities. Entre as ações que mais caíram estavam as das mineradoras (Anglo American -6,53%, Antofagasta -7,36%, BHP Billiton -4,89%, Kazakhmys -8,46%, Rio Tinto -3,69%, Xstrata -8,70%); as da Corus caíram 9,28%. As ações da Alliance & Leicester, do setor financeiro, chegaram a subir 13%, mas devolveram parte dos ganhos e fecharam em alta de 2,51%, em reação ao informe de que o francês Crédit Agricole estuda a possibilidade de fazer uma oferta para sua aquisição. Na Bolsa de Paris, o índice CAC-40 encerrou em baixa de 131,07 pontos (2,65%), a 4.813,50 pontos. Segundo operadores, a preocupação com a direção da política monetária do Federal Reserve (banco central norte-americano) também pesou no sentimento do mercado. As ações da EADS, do setor de tecnologia aeroespacial e militar, caíram 7,45%, em reação à nova baixa do dólar frente ao euro. As ações do setor de construção caíram em reação a comentários desfavoráveis de analistas (Vinci -6,21%, Bouygues -5,77%, Lafarge -6,00%). As da Euronext perderam 9,45%, depois da divulgação dos termos da oferta de aquisição feita pela NYSE. Na Bolsa de Frankfurt, o índice Xetra-DAX recuou 126,04 pontos (2,22%), para 5.546,24 pontos, mostrando-se incapaz de sustentar o nível crítico dos 5.600 pontos, depois da abertura em queda das Bolsas dos EUA. "Não há sinal de recuperação iminente; por isso, muitos investidores estão saindo do mercado para reduzir seus riscos", comentou um operador. Segundo ele, o DAX tem nível de suporte em 5.415 pontos e de resistência em 5.550 pontos. As ações da Vivacom caíram 21%, devolvendo os ganhos recentes. As da Deutsche Telekom recuaram 0,95%, depois de a autoridade reguladora alemã rejeitar o modelo de tarifação proposto pela empresa para os provedores de acesso à internet. Outros destaques negativos do pregão foram MAN (-8,05%) e ThyssenKrupp (-7,34%). Na Bolsa de Milão, o índice S&P-Mib caiu 1.379 pontos (3,76%), em 35.264 pontos. A única componente do índice a subir foi Enel, com alta de 0,22%. Entre os destaques negativos estavam Alitalia (-10,93%), Fiat (-5,39%) e Saipem (-7,13%). De acordo com operadores, o comportamento do mercado no resto da semana dependerá do desempenho das Bolsas dos EUA. Na Bolsa de Madri, o índice Ibex-35 terminou em queda de 320,60 pontos (2,84%), aos 10.950,20 pontos. O índice caiu abaixo do nível de suporte de 11 mil pontos pela primeira vez desde janeiro. Entre as ações que mais caíram estavam as que mais haviam subido desde o começo do ano (Arcelor -6,86%, FCC -6,74%, Cintra -5,26%, Ferrovial -5,09%). Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 teve perda de 75,22 pontos (0,80%), para 9.328,18 pontos. As ações do Banco Comercial Português caíram 1,80% e as da Portugal Telecom recuaram 0,11%; as da Energias de Portugal, porém, subiram 0,70%. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

22 de maio de 2006 | 15h30

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.