Bolsas européias encerram em alta com foco em bancos

As bolsas européias iniciaram a semana num tom positivo, em meio a novas especulações sobre aquisições, agora envolvendo o banco holandês ABN Amro. O índice FTSE 100, da Bolsa de Londres, subiu 1% para 6.189,40 pontos. O Xtra 30, da Bolsa de Frankfurt, terminou em alta de 1,4%, em 6.671,41 pontos. O CAC-40, da Bolsa de Paris, fechou em alta de 1,4%, em 5.458,95 pontos. O setor bancário liderou os ganhos, impulsionado pela alta de 9,5% para 29,87 euros da ação do ABN Amro após especulações da imprensa de que a instituição poderá ser alvo de uma oferta de 81 bilhões de libras (US$ 157 bilhões) do britânico Barclays. Em Londres, Barclays caiu 0,8%, Standard Chartered subiu 2,4%, HBOS ganhou 1,1% e Lloyds TSB subiu 2,6%. Em Paris, Societé Générale avançou 2,9%, BNP Paribas ganhou 2,4% e Crédit Agricole, 2,2%. As ações das empresas de turismo também subiram, com as ações da TUI, da Alemanha, disparando 9,6% após um acordo de fusão com a operadora de turismo do Reino Unido First Choice Holidays. As ações da First Choice subiram 8,5% em Londres. Ainda em Londres, as mineradoras também avançaram 1,8%. O setor de tabaco continuou em foco na Europa, com a franco-espanhola Altadis rejeitando a oferta de 45 euros por ação da Imperial Tobacco, do Reino Unido. Segundo a Altadis, cujas ações subiram 6,1%, a proposta não reflete o valor estratégico da empresa. As ações da Imperial Tobacco caíram 1,9% no FTSE 100, em meio a rumores de que a empresa poderá elevar sua oferta. As ações da DaimlerChyrsler em Frankfurt subiram 4,4% após o papel ter tido sua recomendação elevada para neutra pelo banco de investimentos Goldman Sachs. Em Lisboa, o PSI 20 subiu 1,2% para 11.510,78 pontos. O banco BPI fechou em alta de 2,4% e o BCP ganhou 1,6% depois que, na tarde de sexta-feira, a autoridade reguladora deu luz verde para a fusão. EDP subiu 2%, Jeronimo Martins ganhou 3,3% e Sonae avançou 1,9%, antes da divulgação de seu resultado no ano fiscal de 2006, previsto para amanhã depois do fechamento do mercado. Galp contrariou a tendência e caiu 0,3%. Em Madri, o Ibex-35 fechou em alta de 2%, em 14.250,2 pontos, estimulado por compras de último minuto e pela abertura positiva de Wall Street. Telefónica registrou elevação de 2,5%. Repsol-YPF teve perda de 0,4%, devolvendo os ganhos de sexta-feira na seqüência de rumores não confirmados de uma oferta. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.