Bolsas européias encerram em alta; siderúrgicas sobem

Os principais mercados de ações europeus fecharam em alta pelo segundo dia consecutivo, ainda se recuperando depois de terem sido derrubados pelas preocupações com a inflação. Estrategistas de renda variável do Bear Stearns, no entanto, disseram em nota a seus clientes que "o mercado deverá seguir volátil nas próximas semanas, por causa da queda do dólar, da possibilidade de taxas de juros mais elevadas do que o que se pensava anteriormente e da desaceleração dos principais indicadores europeus". Ações de siderúrgicas foram ajudadas pela notícia de que a Arcelor, tentando fugir da oferta hostil da Mittal Steel, concordou em fundir-se com a russa Severstal, numa transação que deve resultar na maior empresa do mundo no setor. As ações da Arcelor caíram 3%, mas as da Mittal subiram 2% em Amsterdã. ThyssenKrupp avançou 4,8%, Corus ganhou 3,4% e Salzgitter saltou 6,7%. "Se a Mittal desistir da Arcelor, vai começar a olhar para a ThyssenKrupp, Corus, Voestalpine e Salzgitter como possíveis alvos de um plano B", afirmou um relatório da corretora Louis Capital. Analistas também estão revendo suas avaliações sobre essas empresas. Também destacaram-se nas transações de hoje os papéis de operadoras de bolsas. O Credit Suisse elevou sua recomendação para a Deutsche Boerse e Euronext de underperform para outperform. A primeira subiu 6,2% e a segunda, 5,1%. A London Stock Exchange, embora rebaixada pelo mesmo banco de neutra para underperform, subiu 5,7%. Segundo o Credit Suisse, a Euronext é a operadora mais atraente no processo de consolidação do setor. A bolsa de Londres fechou com o índice FT-100 em alta de 113,30 pontos, ou 2,00%, aos 5.791,00 pontos. A alta dos preços dos metais ajudou mineradoras (BHP Billiton +4,06%, Rio Tinto +3,56%). HSBC, que reiterou que a perspectiva para este ano continua encorajadora, subiu 1,7%. A bolsa de Frankfurt fechou com o índice Xetra Dax em alta de 82,30 pontos, ou 1,44%, aos 5.788,36 pontos. BMW subiu 4,3%, com compras técnicas, e Bayer avançou 3,2%, com a aprovação da aquisição da Schering pela companhia. Em Paris, o índice CAC-40 fechou com ganho de 95,56 pontos, ou 1,93%, aos 5.045,09 pontos. Gaz de France liderou a alta, avançando 4,4%, e Suez subiu 3,6%, beneficiada pela venda de uma fatia numa empresa chilena. A bolsa de Milão fechou com o índice S&P/Mib em alta de 426 pontos, ou 1,18%, aos 36.617 pontos. Ações de bancos foram destaque, com os investidores apostando que o processo de consolidação, há muito esperado, deve se iniciar em breve (Capitalia +2%, Mediobanca +2,3%, Banca Intesa +1,7%). Em Madri, o índice Ibex-35 fechou em alta de 206,60 pontos, ou 1,84%, aos 11.414,80 pontos. Telefónica subiu 1,6%, depois de anunciar que pretende obter lucro por ação e pagar um dividendo em 2009 duas vezes maiores que os de 2005. Em Lisboa, o índice PSI-20 subiu 138,01 pontos, ou 1,46%, para 9.561,30 pontos. Portugal Telecom fechou em alta de 0,8%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.