Bolsas européias encerram em perda com mineradoras

As principais bolsas européias fecharam em queda, com o enfraquecimento das mineradoras, como a Lonmin, a terceira maior fabricante de platina do mundo. Os ganhos das companhias de tecnologia, como a Nokia, e a abertura dos mercados acionários em Nova York não foram suficientes para reverter a tendência de queda. Apesar do índice de atividade industrial regional "Empire State", do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) de Nova York, que veio abaixo do esperado, os investidores também consideraram os dados da economia européia divulgados hoje. A inflação na Inglaterra em dezembro veio dentro das expectativas, em 3% anuais, e o indicador da confiança na economia alemã do instituto ZEW veio acima do esperado. No setor de tecnologia, as ações da fabricante de chips franco-italiana STMicroelectronics subiram 1,7% em Paris, enquanto em Helsinki os papéis da Nokia avançaram 1,5%, após recomendação de compra pelo Goldman Sachs. As ações da Philips subiram 1% em Amsterdã. Londres Na Bolsa de Londres, o índice FT-100 fechou em queda de 47,80 pontos, ou -0,76%, em 6.215,70 pontos. A queda das ações das mineradoras também tirou o foco dos investidores dos ganhos pelo segundo dia consecutivo do Smiths Group, que vendeu sua divisão aeroespacial para a General Electric por US$ 4,8 bilhões. Os papéis do Smiths Group avançaram 1,6%. As ações londrinas caíram também influenciadas pelos dados da inflação inglesa, que embasaram as expectativas de economistas de uma taxa de crescimento de 2,9%. Os papéis da Lonmin caíram 3,1%, após a empresa informar que irá reconstruir um de seus altos-fornos, onde havia sido detectado um vazamento em dezembro. A reforma vai custar US$ 6,5 milhões e deve prejudicar suas vendas no primeiro trimestre. Os papéis de outras mineradoras também caíram, entre elas a Xstrata (-2,7%). As ações da gigante do petróleo BP recuaram 1,5%, após a publicação do relatório do ex-secretário de Estado norte-americano James Baker, segundo o qual a empresa não garantia a segurança efetiva de cinco refinarias nos EUA. Paris O índice CAC-40, da Bolsa de Paris, encerrou o dia com perda de 39,54 pontos, ou -0,70%, em 5.591,54 pontos. O índice foi pressionado pelas ações da companhia de bens de luxo PPR, que caíram 3,2%, e da montadora Peugeot, que perdeu 1,6%. Frankfurt A Bolsa de Frankfurt fechou com o índice Xetra-DAX em baixa de 14,92 pontos, ou -0,22%, em 6.716,82 pontos. Entre os destaques ficaram as ações da Deutsche Post, que avançaram 2%, após elevação de seu preço-alvo pelo Deutsche Bank. Os papéis da indústria de caminhões MAN subiram 1,5% com a expectativa de que a Volkswagen possa ajudar na negociação da compra da Scania. Milão Na Bolsa de Milão, o índice S&P-Mib terminou o dia em queda de 208 pontos, ou -0,49%, em 42.084 pontos. Destaque para a queda das ações da operadora de internet Fastweb, que recuaram 5,7% após o anúncio de que o fundador da companhia irá manter os 18,8% de ações remanescentes por outros 12 meses. Madri O índice Ibex-35, da Bolsa de Madri, fechou com desvalorização de 61,1 pontos, ou -0,42%, em 14.355,60 pontos. A realização de lucros afetou ganhadores recentes, como os papéis da Cintra, que caíram 1,7%, e da Ferrovial, que recuaram 1,8%. Lisboa A Bolsa de Lisboa encerrou com o índice PSI-20 em alta de 22,04 pontos, ou 0,19%, em 11.552,62 pontos, na contramão da tendência de queda nas outras bolsas européias. Destaque para as ações da Energias de Portugal, que subiram 0,8%, do Banco Comercial Português, que avançaram 0,6%, e da Sonae, que ganharam 1,8%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.