Bolsas européias fecham com ganho, focando empresas

Repetindo o foco de ontem, os mercados de ações hoje repercutiram o noticiário corporativo. Ontem, contudo, as Bolsas européias não tiveram tempo de encerrar com ganho, pois seus pregões terminaram antes que o mercado de Nova York tivesse digerido as notícias ruins da Alcoa e da Lucent e virado o sinal, passando a operar no terreno positivo. O índice FT-100, da Bolsa de Londres, fechou hoje em alta de 3,3 pontos (0,06%), em 5.860,6 pontos, com as ações dos setores de mineração e tecnologia recuperando terreno depois das quedas de ontem (Antofagasta +2,95%, BHP Billiton +2,15%, Xstrata +5,49%, Lonmin +4,53%, ARM Holding +2,16%). As ações das empresas de jogos e apostas online também subiram, em reação à aprovação, pela Câmara norte-americana, de um projeto de lei que impõe restrições a apostas via internet nos EUA (Partygaming +4,26%, Sportingbet +2,7%). Na Bolsa de Paris, o índice CAC-40 registrou elevação de 27,34 pontos (0,56%), para 4.941,73 pontos, com um pregão calmo, antes do feriado nacional francês da sexta-feira. Para os operadores, a expectativa positiva em relação aos informes de resultados de empresas francesas contrabalançou a preocupação com as taxas de juro. As ações da Carrefour, que divulgaria a receita do segundo trimestre depois do fechamento do pregão, subiram 0,17%; já as da L'Oreal, que também divulgaria dados do faturamento, recuaram 0,48%. No setor siderúrgico, as ações da Arcelor subiram 3,63%, na véspera do prazo final para a oferta de aquisição feita pela Mittal. As ações da Lafarge subiram 1,86% e as da EdF avançaram 1,52%, recuperando terreno depois das quedas sofridas no começo da semana. Em Frankfurt, o índice Xetra-DAX fechou em alta de 21,78 pontos (0,39%), em 5.637,82 pontos. Segundo operadores, o dia foi "relativamente tranqüilo" e o mercado deve continuar a operar "de lado" até o fim da semana As ações da Deutsche Post caíram 1,87%, depois de o banco de desenvolvimento alemão KfW vender no mercado sua participação de 6,1% na empresa. As ações da ThyssenKrupp avançaram 1,30%, após a empresa elevar sua meta de lucro para o médio prazo. Nesta quinta-feira, o mercado estará atento ao informe de resultados da Südzucker e aos dados do tráfego de passageiros em junho da operadora de aeroportos Fraport. No mercado de Milão, o índice S&P-Mib obteve ganho de 88 pontos (0,24%), para 36.298 pontos. As ações dos bancos subiram, depois de o presidente do Banco Central da Itália, Mario Draghi, dizer-se favorável a mais fusões e aquisições no setor (Capitalia +1,00%, Monte dei Paschi di Siena +1,14%). As ações da Fiat avançaram 1,69%, em reação à declaração feita pela Tata Motors, da Índia, de que gostaria de "desenvolver produtos" com a companhia italiana para o mercado indiano. Amanhã, o mercado estará atento ao informe preliminar de resultados da Fastweb no segundo trimestre (hoje, as ações da Fastweb recuaram 0,34%). Na Bolsa de Madri, o índice Ibex-35 avançou 2,10 pontos (0,02%), para 11.537,30 pontos. O Ibex chegou a subir a 11.630,90 pontos, recuperando terreno depois das quedas recentes, mas recuou no fim do pregão, por causa da abertura em baixa das Bolsas dos EUA. As ações da Iberia subiram 2,03%, reagindo ao cancelamento da greve de seus pilotos. As da Telefónica avançaram 0,39% e as da Telefónica Móviles ganharam 0,18%, apesar de a Comissão Européia ter aprovado normas que deverão reduzir as tarifas de "roaming" (uso de aparelho celular em outro país). Em Lisboa, o índice PSI-20 recuou 14,22 pontos (0,15%), para 9.493,02 pontos. De acordo com operadores, as vendas de blue chips (ações de primeira linha) para realização de lucros contrabalançaram a influência das altas de outras Bolsas européias. As ações do Banco Comercial Português caíram 0,89% e as da Portugal Telecom recuaram 0,10%; as da Energias de Portugal fecharam no mesmo nível de ontem. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.