Bolsas europeias fecham em alta

Índice pan-europeu Stoxx 600 teve ganho de 0,81 ponto (0,30%), a 266,64 pontos

Álvaro Campos, da Agência Estado,

18 de outubro de 2010 | 15h17

As bolsas europeias fecharam em alta, impulsionadas pelo setor bancário, que compensou as perdas das mineradoras. O índice pan-europeu Stoxx 600 teve ganho de 0,81 ponto (0,30%), a 266,64 pontos.

Nos EUA, a Associação Nacional das Construtoras de Casas (NAHB, na sigla em inglês) informou que seu índice do mercado de moradia nos EUA subiu para 16 em outubro, de 13 em setembro, o primeiro aumento em cinco meses. A previsão dos analistas era que o índice ficasse em 14. Uma leitura acima de 50 indica que mais construtoras veem as condições de venda positivamente do que negativamente. O índice não atinge 50 há mais de três anos.

No campo corporativo, o Citigroup divulgou que seu lucro líquido subiu fortemente no terceiro trimestre, para US$ 2,17 bilhões, de US$ 101 milhões no mesmo período do ano passado. Incluindo dividendos preferenciais, os ganhos por ação foram de US$ 0,07, diante do prejuízo de US$ 0,27 por ação registrado no terceiro trimestre de 2009. Analistas ouvidos pela Thomson Reuters esperavam ganhos de US$ 0,06 por ação. Já o Royal Bank of Canada chegou a um acordo para comprar o gestor de fundos de renda fixa britânico BlueBay Asset Managemente por 963 milhões de libras (US$ 1,531 bilhão).

Enquanto isso, os investidores estão analisando quanto os mercados já precificaram uma possível nova rodada de afrouxamento quantitativo pelo Federal Reserve. Na sexta-feira, o presidente do Fed, Ben Bernanke, reforçou a visão de que novas medidas de estímulo devem ser adotadas, embora não tenha afirmado literalmente que é isso que o banco central vai fazer. "Com os mercados convencidos de que haverá mais afrouxamento quantitativo, os investidores estão mais inclinados a realizar lucros e abandonar posições de risco antes do anúncio oficial", disseram analistas da FxPro.

O índice FT-100, da Bolsa de Londres, fechou em alta de 39,15 pontos (0,69%), em 5.742,52 pontos. Apesar dos ganhos, a IG Index disse que o mercado de ações parece instável e que existe potencial para uma realização de lucros, com o FT-100 se aproximando das máximas do ano. O setor bancário teve um desempenho positivo hoje (Lloyds +2,88%, Barclays +1,49%, HSBC +1,09%). O BlueBay avançou 29,62%. Já o setor de mineração fechou com perdas, prejudicado pela retração nos preços dos metais e após o HSBC rebaixar a recomendação da Xstrata (-0,46%), Antofagasta (-1,45%) e Vedanta Resources (-1,53%). A notícia de que a Rio Tinto (-1,52%) e a BHP Billiton (-0,64%) abandonaram planos de uma joint venture na área de minério de ferro também afetou o setor.

Na Bolsa de Frankfurt, o índice Xetra-DAX fechou em alta de 24,33 pontos (0,37%), em 6.516,63 pontos. As ações do Deutsche Bank ganharam 1,59% e as da Deutsche Boerse avançaram 2,75%. A Lufthansa ganhou 3,50% e a Porsche teve valorização de 2,82%. As ações da mineradora Kali & Salz Beteiligungs subiram 0,84%, após o jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung noticiar que o executivo-chefe da empresa, Norbert Steiner, teria dito que consideraria qualquer oferta de aquisição. No campo negativo, a siderúrgica ThyssenKrupp perdeu 1,01%.

O índice CAC-40, da Bolsa de Paris, fechou em leve alta de 7,13 pontos (0,19%), em 3.834,50 pontos. Mais uma vez os bancos foram o destaque positivo, com o Société Générale ganhando 2,00% e o Crédit Agricole subindo 1,66%. A exceção foi o BNP Paribas, que teve queda de 0,15%. A Pinault-Printemps-Redoute (PPR), grupo que administra as grifes Gucci e YSL, perdeu 2,77% após ter sua recomendação rebaixada pela S&P Equity Research. Hoje o grupo anunciou que está querendo construir uma carteira maior de marcas de lazer e esportes. O Carrefour também terminou no vermelho (-1,04%) depois de o Citigroup reduzir a recomendação do grupo para "manter".

Na Bolsa de Madri, o índice Ibex-35 fechou em alta de 29,50 pontos (0,27%), em 10.897,70 pontos. Os papéis do Santander tiveram ganho de 0,64%. O banco anunciou que chegou a um acordo com a Qatar Holding pelo qual esta empresa subscreverá uma emissão de títulos no valor de US$ 2,719 bilhões, que serão obrigatoriamente permutáveis por ações já emitidas ou a serem emitidas pelo Santander Brasil. O investimento representa 5% do capital social da unidade brasileira.

O índice FTSE-MIB, da Bolsa de Milão, avançou 196,41 pontos (0,93%) e fechou em 21.258,59 pontos. Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 fechou com ganho de 49,15 pontos (0,63%), a 7.860,58 pontos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
BolsasEuropaações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.