Bolsas europeias fecham em alta com bons dados da Zona do Euro

Índices do setor industrial da Alemanha e da China também ajudaram a impulsionar o mercado de ações

Agencia Estado

22 de agosto de 2013 | 13h53

As bolsas europeias fecharam em alta nesta quinta-feira, 22, impulsionadas por dados animadores sobre o setor industrial da zona do euro, da Alemanha e da China, que acabaram ofuscando a decepção com a falta de sinais definitivos sobre o futuro da política monetária dos EUA na ata divulgada ontem pelo Federal Reserve.

O índice Stoxx Europe 600 subiu 1,0% e fechou aos 303,55 pontos, no melhor desempenho porcentual diário em três semanas. Segundo dados da Markit, o índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto da zona do euro subiu para 51,7 em agosto, a leitura mais alta em 26 meses. "Após os declínios induzidos pelo Fed nos últimos dias, é bom ver os mercados se concentrando em indicadores econômicos e reagindo à melhora ampla nos dados manufatureiros da China e da Alemanha", comentou Michael Hewson, analista da CMC Markets.

Em Londres houve avanço de 0,88% no índice FTSE-100, para 6.446,87 pontos. As mineradoras foram as maiores beneficiadas pelo aumento no PMI HSBC industrial da China para 50,1 em agosto. Glencore Xstrata subiu 3,0% e Vedanta Resources ganhou 2,9%.

O índice DAX subiu 1,36%, para 8.397,89 pontos. Segundo dados da Markit, o PMI composto da Alemanha aumentou para 53,4 em agosto. Commerzbank liderou os ganhos com +5,7%, seguido por ThyssenKrupp (+3,6%) e Lanxess (+2,6%). A Bolsa de Paris fechou com avanço de 1,10%, aos 4,055,47 pontos. As maiores altas foram apresentadas pelas ações da Lafarge, que subiu 3,3%, e da Saint Gobain, que ganhou 3,0%. Na ponta oposta, Publicis caiu 1,2%.

Milão terminou a sessão com +2,56% no índice FTSE MIB, aos 17.309,84 pontos, sustentado pela esperança dos investidores com uma recuperação global após os PMIs divulgados hoje. Ações dos setores industrial e bancário puxaram a alta. Finmeccanica subiu 6,3%, Fiat Industrial avançou 4,9% e UniCredit ganhou 3,7%.

O forte crescimento das exportações da Espanha no primeiro semestre deste ano contribuíram para a alta de 1,98% no índice Ibex-35 da Bolsa de Madri, para 8.629,70 pontos. O déficit comercial espanhol diminuiu quase 69% entre janeiro e junho deste ano, com um aumento de 8% nas exportações e uma queda de 3,2% nas importações.

A Bolsa de Lisboa fechou com o índice PSI-20 em alta de 2,23%, aos 5.991,10 pontos, puxado pelos bancos. Banco Espírito Santo (BES) subiu 5,2%, Banco Comercial Português (BCP) avançou 3,0% e Banco BPI ganhou 2,5%. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolsas de Valores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.