Bolsas europeias fecham em alta com commodities

Índice FT-100, da Bolsa de Londres, encerrou o dia em alta de 1,07% aos 5.923,49 pontos

Cynthia Decloedt, da Agência Estado ,

18 de maio de 2011 | 14h47

Os mercados europeus fecharam hoje com ganhos modestos, sustentados pela alta das commodities, que impulsionou os preços das ações do setor de matérias-primas. Os papéis do setor imobiliário também atraíram a atenção dos investidores, após a divulgação do balanço da empresa britânica Land Securities.

O índice FT-100, da Bolsa de Londres, encerrou o dia em alta de 62,40 pontos (1,07%) aos 5.923,49 pontos; o índice Xetra-DAX, de Frankfurt, terminou o dia em alta de 46,88 pontos (0,65%) aos 7.303,53 pontos; o índice CAC-40, de Paris, fechou em alta de 36,42 pontos (0,92%), aos 3.978,00 pontos.

O setor imobiliário esteve entre os de maior destaque, após a Land Securities informar aumento de 15% em seu lucro antes de impostos no ano e anunciar elevação em seus ativos líquidos. Suas ações fecharam em alta de 6,4% em Londres, enquanto papéis de seus concorrentes como British Land e Hammerson fecharam com ganho de 4,6% e 3,2%, respectivamente.

As ações de petroleiras foram puxadas pela alta do petróleo. Royal Dutch Shell subiu 2,4% e BP avançou 1,4%; as ações da Total fecharam em alta de 1,1%.

Os papéis da Eurarian Natural Resources dispararam 4,3% após o Citigroup elevar sua recomendação para "compra", de "manter", para as ações da mineradora. Lonmin e Anglo American subiram 2,1% cada, Fresnillo ganhou 1,7% e Rio Tinto subiu 1,5%.

As ações da Vodafone fecharam em alta de 1%, registrando valorização pelo segundo dia seguido na esteira do resultado divulgado ontem.

As ações da Deutsche Telekom subiram 1,7% após o Bank of America Merrill Lynch elevar a recomendação para os papéis da empresa para "comprar", de "neutro", dizendo que as medidas recentes tomadas pela companhia, como venda de ativos nos EUA, corte de custos na Alemanha e a joint venture no Reino Unido, não estavam totalmente embutidas no preço das ações. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasEuropaaçõesmatérias-primas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.