Bolsas europeias fecham em baixa após balanço do JPMorgan

Índice de sentimento do consumidor da Universidade de Michigan mais fraco também pressionou pregão

Suzi Katzumata, da Agência Estado ,

20 Janeiro 2010 | 15h31

LONDRES - As principais bolsas europeias fecharam em baixa, pressionadas pelas previsões pessimistas do banco norte-americano JPMorgan e da leitura mais fraca que o esperado do sentimento do consumidor da Universidade de Michigan. As ações de bancos e recursos básicos registraram as maiores perdas.

 

Agora, os investidores vão voltar sua atenção para os resultados de outros bancos esperados para o início da próxima semana, disse Nick Serff, analista de mercado da City Index. "Depois dos resultados de hoje do JPMorgan, o Bank of America e o Citigroup serão observados com atenção, uma vez que ambos possuem grande exposição aos empréstimos ao consumidor", acrescentou.

 

Fechamentos

 

Em Londres, o índice FT-100 caiu 42,83 pontos (0,78%) e fechou com 5.455,37 pontos; em Paris, o índice CAC-40 recuou 61,39 pontos (1,53%) e fechou com 3.954,38 pontos; em Frankfurt, o índice Dax-30 caiu 112,91 pontos (1,89%) e fechou com 5.875,97 pontos.

 

O JPMorgan anunciou um lucro melhor que o esperado no quarto trimestre, mas isso foi ofuscado pela observação do executivo-chefe da instituição, James Dimon, de que o desempenho no trimestre e no ano "não atingiram um retorno sobre capital adequado nem o potencial de ganhos da companhia". Dimon apontou também que os custos com crédito seguem elevados e que o mercado de trabalho e os preços dos imóveis continuam fracos.

 

As ações do Deutsche Bank 3,69%, as do Société Générale recuaram 2,74% e as do Barclays fecharam em 2,34%.

 

Heino Ruland, estrategista da consultoria Ruland Research, disse que os resultados do JPMorgan e da Intel - que divulgado na noite de quarta-feira - foram melhores que o esperado, mas as previsões foram pessimistas. "Falar sobre a piora da qualidade de crédito não foi encorajador", disse Ruland, referindo-se aos resultados do JPMorgan.

 

Ativos de risco

 

Os setor de recursos básicos também registrou perdas refletindo a fraqueza das commodities. A falta de convicção de com relação a uma forte recuperação econômica, preocupações sobre o crédito na zona do euro e aperto monetário na China esfriaram o apetite pelos ativos de risco. As ações da ArcelorMittal caíram 2,19%, Xstrata recuaram 2,58%, BHP Billiton fecharam em baixa de 1,04% e Anglo-American recuaram 0,96%.

 

A gigante do setor de software SAP caiu 3,54% depois de ter sido rebaixa para "equal weight" pelo Morgan Stanley, que citou a disposição da companhia de revitalizar sua linha principal através de mais investimentos.

 

Em Milão, o índice FTSE/MIB caiu 333,88 pontos (1,40%) e fechou com 23.472,11 pontos; em Madri, o índice Ibex-35 recuou 154,80 pontos (1,29%) e fechou com 11.845,00 pontos; em Lisboa, o índice PSI-20 caiu 202,46 pontos (2,33%) e fechou com 8.494,85 pontos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.