Bolsas europeias fecham em direções divergentes

Investidores adotaram postura cautelosa à espera da divulgação de índices importantes próxima semana

Agencia Estado

26 de julho de 2013 | 13h40

As bolsas da Europa fecharam em direções divergentes nesta sexta-feira, 26, em um dia com poucos indicadores e muitas notícias corporativas. Investidores preferiram manter uma postura cautelosa antes de importantes eventos na próxima semana, como as reuniões de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) e Federal Reserve. O índice pan-europeu Stoxx 600 perdeu 0,24%, fechando a 298,91 pontos. Na semana, a retração foi de 0,31%.

Na Europa, o índice Eurocoin de atividade econômica na zona do euro subiu para -0,09% em julho, de -0,18% em junho, segundo dados do Banco da Itália e do Centro de Pesquisa de Política Econômica (CEPR). A leitura de julho foi a mais alta desde o primeiro semestre de 2012. Na França, o índice de confiança do consumidor subiu para 82 em julho, de 79 em junho, segundo o escritório nacional de estatísticas Insee.

Enquanto isso, o grupo de ministros de Finanças da zona do euro (Eurogrupo) aprovou hoje a liberação de uma parcela de 2,5 bilhões de euros para a Grécia, após o Parlamento do país ter dado seu aval ontem para a última das 22 medidas exigidas pela troica de credores internacionais. Mais 1,5 bilhão de euros - resultado de lucros do Banco Central Europeu (BCE) com sua carteira de bônus gregos - devem ser liberados na segunda-feira.

Nesse cenário, notícias corporativas dominaram os mercados. O índice CAC-40, da Bolsa de Paris, subiu 0,32%, fechando a 3.968,84 pontos. No resultado da semana, houve alta de 1,11%. Nesta sexta-feira, 26, os destaques foram as empresas que divulgaram balanços, como Renault (-0,90%) e Air France-KLM (-2,54%). Já a Vivendi registrou valorização de 0,56%, após anunciar que venderá sua fatia na Activision Blizzard por US$ 8,2 bilhões.

Em Londres, o índice FTSE teve queda de 0,50%, encerrando a sessão a 6.554,79 pontos. No acumulado da semana, a retração ficou em 1,14%. A British Sky Broadcasting perdeu 3,29%, depois de divulgar seus resultados para o ano fiscal e ter sua recomendação rebaixada por um analista. Já a Pearson, que reportou seus números do primeiro semestre, avançou 6,15%.

Na Bolsa de Frankfurt, o índice DAX perdeu 0,65%, para 8.244,91 pontos. Com isso, a queda na semana ficou em 1,04%. A ThyssenKrupp teve baixa de 3,48%, após notícias de que a empresa não chegou a um acordo com a CSN para vender duas unidades nos EUA e no Brasil. A Deutsche Börse caiu 4,18%, após dar projeções de lucro conservadoras para este ano. Do outro lado, a Siemens ganhou 1,14%, depois de fontes afirmarem que o conselho de supervisão vai se encontrar neste fim de semana para discutir mudanças na gestão da empresa, em função de resultados negativos.

O índice IBEX-35, da Bolsa de Madri, subiu 0,86%, para 8.353,60 pontos, e assim conquistou alta de 5,17% na semana. Os ganhos hoje foram puxados por bancos que divulgaram balanços, como Banco Popular Español (+7,13%) e Caixabank (+1,37%). Em Lisboa, o índice PSI-20 teve alta de 0,53%, a 5.761,17 pontos. Na semana, o avanço foi de 4,28%. Na Bolsa de Milão, o índice FTSE-Mib caiu 0,06%, para 16.421,51 pontos. Mesmo assim, no acumulado da semana houve alta de 2,07%. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.