Bolsas europeias fecham em direções divergentes

Índice pan-europeu Stoxx 600 subiu 0,03 ponto, ou 0,01%, para 264,01 pontos

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado ,

27 de junho de 2011 | 14h50

Os principais mercados de ações da Europa fecharam sem direção comum, avançando na maior parte dos países centrais da zona do euro, mas caindo na periferia do bloco monetário, refletindo a preocupação dos investidores com a votação de novas medidas de austeridade fiscal no Parlamento da Grécia, na quarta-feira.

Os gregos precisam aprovar o pacote de cortes nos gastos públicos para receber a próxima parte do empréstimo oferecido pela União Europeia (UE) e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). "Há um elevado grau de incerteza nos mercados, então para aqueles que investem em ações é difícil decidir se os níveis atuais são suficientemente bons" para justificar compras, disse Angus Campbell, diretor de vendas do London Capital Group.

Hoje representantes dos governos e dos bancos europeus reuniram-se em Roma para discutir como estruturar a participação do setor privado no próximo pacote de resgate para a Grécia. As negociações giraram em torno da proposta apoiada pela França, segundo a qual os bancos reinvestiriam voluntariamente metade dos rendimentos obtidos com o vencimento do principal dos títulos soberanos gregos.

O índice pan-europeu Stoxx 600 subiu 0,03 ponto, ou 0,01%, para 264,01 pontos. Na Bolsa de Londres, o FTSE-100 avançou 24,62 pontos, ou 0,43%, para 5.722,34 pontos. Em Paris, o CAC 40 ganhou 11,75 pontos, ou 0,31%, para 3.796,55 pontos. Na Bolsa de Frankfurt, o Xetra DAX fechou em baixa de 13,48 pontos, ou 0,19%, a 7.107,90 pontos.

Em Milão, o índice FTSE MIB caiu 171,19 pontos, ou 0,88%, para 19.297,11 pontos. O IBEX 35, da Bolsa de Madri, avançou 59,50 pontos, ou 0,61%, para 9.872,20 pontos. Em Lisboa, o PSI 20 teve queda de 41,15 pontos, ou 0,59%, para 6.950,85 pontos. O ASE, da Bolsa de Atenas, perdeu 6,38 pontos, ou 0,52%, para 1.226,22 pontos.

Entre os destaques da sessão, as ações do Commerzbank caíram 5% e as do Deutsche Bank fecharam em queda de 1,4%. Os papéis da Akzo Nobel tiveram declínio de 6,5% em Amsterdam depois de a companhia cortar a projeção de lucro para o ano, afirmando que o aumento nos custos ofuscou os esforços para fortalecer as margens.

Em Paris, as negociações com os componentes do CAC 40 ficaram suspensas por 50 minutos em razão de problemas técnicos. Títulos, derivativos e outras ações, no entanto, operaram normalmente. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasEuropaaçõesbancoscriseGrécia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.