Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Bolsas europeias fecham em direções divergentes

Os mercados de ações da Europa fecharam hoje em direções divergentes, porém perto da estabilidade, com o impulso recebido da alta em Nova York sendo contrabalançado por balanços trimestrais fracos, como os da Basf e do Credit Suisse. O índice Stoxx Europe 600 subiu apenas 0,03 ponto, um avanço de menos de 0,1%, para 267,08 pontos, encerrando uma sequência de três sessões em queda.

DANIELLE CHAVES, Agencia Estado

28 de julho de 2011 | 14h35

As bolsas de Nova York subiram depois do anúncio de que o número de pedidos de auxílio-desemprego nos EUA caiu para o menor nível em três meses. Na Europa, a Grécia deu início hoje a negociações com bancos sobre um proposto programa de troca de bônus, um dia depois de ter seu rating (nota de classificação de risco) rebaixado pela Standard & Poor''s. A Bolsa de Atenas fechou em baixa de 1,4%.

A Itália teve de lidar com o resultado ruim de um leilão de bônus que atraiu pouca demanda e forçou o pagamento de yields (retorno ao investidor) mais altos. No entanto, o índice FTSE MIB de Milão conseguiu terminar o dia com alta de 0,34%, a 18.558,02 pontos.

Os balanços trimestrais ficaram no centro das atenções hoje e várias empresas divulgaram resultados decepcionantes. As ações da Vallourec despencaram 16,8% depois de a fabricante de tubos afirmar que os custos das matérias-primas pesaram sobre o lucro no segundo trimestre deste ano. Alcatel-Lucent afundou 15,3% em consequência de resultados abaixo do esperado. Com isso, o índice CAC-40 da Bolsa de Paris caiu 0,57%, para 3.712,66 pontos.

Em Frankfurt, o índice DAX recuou 0,86%, para 7.190,06 pontos, pressionado pela queda de 4,2% nas ações da Basf. A companhia do setor químico teve lucro 23% maior no segundo trimestre, ante o mesmo período do ano passado, mas disse que prevê um crescimento menor à frente.

O índice FT-100 da Bolsa de Londres reverteu as perdas iniciais e fechou em alta de 0,28%, aos 5.873,21 pontos, com os bancos fornecendo suporte em meio à busca por pechinchas. Lloyds Banking Group subiu 4,1% e Royal Bank of Scotland Group avançou 3,6%. BAE Systems ganhou 4,9% depois de elevar seus dividendos e anunciar planos para recompra de ações.

Entre outros destaque na Europa esteve Credit Suisse, que anunciou um corte de 4% na sua força de trabalho e queda no lucro líquido para menos da metade no segundo trimestre, e encerrou a sessão em baixa de 1,6% em Zurique. Na Bolsa de Amsterdã, a empresa de engenharia marítima de petróleo e gás SBM Offshore despencou 10,8% após informar que terá prejuízo líquido no primeiro semestre deste ano. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasEuropabalançosEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.