Bolsas européias fecham em queda

O índice FT-100, da Bolsa de Londres, fechou em queda de 36,9 pontos (0,61%), em 6.023,1 pontos. Operadores atribuíram o recuo às baixas das ações das empresas de petróleo e de commodities, depois de a China elevar sua taxa básica de juros (BP -1,02%, Shell -1,83%). As ações da editora de listas telefônicas Yell caíram 2,93%, após a empresa anunciar um acordo para a compra da participação da Telefónica na TPI (Telefónica Publicidad e Información) por ,1 bilhões de euros. Na semana, o FT-100 acumulou uma queda de 1,79%; desde o começo do ano, o índice subiu 7,20%. Na Bolsa de Paris, o índice CAC-40 encerrou com variação negativa de 25,15 pontos (0,48%), em 5.188,40 pontos. Operadores disseram que os investidores preferiram reduzir suas posições antes do fim de semana prolongado e na expectativa de novidades sobre as investigações sobre caixa 2, contas bancárias secretas e corrupção envolvendo líderes políticos franceses. As ações da Total recuaram 1,35%, em reação à baixa dos preços do petróleo; as da Saint-Gobain subiram 2,15%, em reação a seu informe de resultados. As da Peugeot avançaram 1,46%, depois de a empresa reafirmar sua projeção de lucros para o ano. Na semana, o CAC acumulou uma queda de 1,22%; nos primeiros quatro meses do ano, o índice subiu 10,03%. Na Bolsa de Frankfurt, o índice Xetra-DAX fechou em queda de 57.85 pontos (0,95%), em 6.009,89 pontos. Traders disseram que o mercado alemão foi influenciado pelas baixas de outras bolsas internacionais. Pesaram no sentimento do mercado os informes de resultados da Volkswagen (-5,39%) e da DaimlerChrysler (-3,06%), o que afetou também as ações da BMW (-2,42%). As ações da Siemens tiveram queda de 3,035, depois de rebaixamento de recomendação pelo JP Morgan. As da Puma caíram 1,90%, devido á realização de lucros, embora seu lucro no primeiro trimestre tenha superado as previsões. Operadores disseram que na próxima semana o mercado estará atento a informes de resultados de empresas como Deutsche Bank, Allianz, BMW e Commerzbank. Nesta semana, o DAX acumulou uma queda de 1,39%; no período janeiro/abril, o índice acumula uma alta de 11,12%. Na Bolsa de Milão, o índice S&P-Mib fechou em queda de 358 pontos (0,94%), em 37.773 pontos. Houve pouca atividade no mercado antes do fim de semana prolongado. As ações da Fiat caíram 1,06%, em reação ao fraco informe de resultados da alemã Volkswagen. As da Luxottica recuaram 1,75%, com os investidores mostrando decepção com o fato de a empresa não ter elevado sua previsão de lucros para o ano ao divulgar seu resultado do primeiro trimestre. Segundo operadores, até a reabertura do mercado, na próxima terça-feira, os investidores terão tempo de digerir os resultados das assembléias de acionistas marcadas para este fim de semana (entre elas Generali, Parmalat e Banca Popolare Italiana). Na semana, o S&P-Mib acumulou uma queda de 1,88%; nos primeiros quatro meses do ano, o índice subiu 5,79%. Na Bolsa de Madri, o índice Ibex-35 fechou em alta de 1,20 ponto (0,01%), em 11.892,50 pontos. As ações do Banco Stantander Central Hispano subiram 1,15%, em reação a seu informe de resultados. As da rede de televisão Antena 3 caíram 4,40%, depois de o Deutsche Bank rebaixar seu preço-alvo. Na semana, o Ibex acumulou um recuo de 0,18%; no período janeiro/abril, o índice acumula uma alta de 10,79%. Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 terminou em queda de 37,11 pontos (0,37%), em 10.052,90 pontos. O mercado português acompanhou as baixas de outras Bolsas européias antes do fim de semana prolongado. As ações da Energias de Portugal caíram 0,95%, as do Banco Comercial Português encerraram no mesmo nível de ontem e as da Portugal Telecom subiram 0,20%. Na semana, o PSI-20 acumulou uma queda de 2,09%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.