Bolsas européias fecham em queda

As bolsas de valores européias fecharam em baixa nesta segunda-feira, acompanhando o mau humor generalizado dos mercados em relação à inflação. O índice FT-100, da Bolsa de Londres, fechou em queda de 70,8 pontos (1,20%), em 5.841,30 pontos. O mercado reagiu às quedas das Bolsas dos EUA, mostrando preocupação com pressões inflacionárias e com a direção das taxas de juro. As ações do setor de mineração estavam entre as que mais caíram, em reação à baixa dos preços dos metais (Anglo American -5,90%, Antofagasta -6,92%, BHP Billiton -5,65%, Rio Tinto -4,84%, Xstrata -8,38%). As ações do setor financeiro foram abaladas pela preocupação quanto ao desempenho futuro dos mercados (Amvescap -3,06%, Man Group -4,80%, Schroders -3,99%). Para o analista Charles Dautresme, da Standard & Poor's, o mercado estava maduro para sofrer uma correção, depois dos ganhos fortes dos últimos meses. "Ainda não é o momento para vender tudo. A baixa cria uma oportunidade para compra, embora as pessoas possam ter que esperar um pouco mais por uma correção", acrescentou. Na Bolsa de Paris, o índice CAC-40 fechou em queda de 85,60 pontos (1,66%), em 5.064,85 pontos. Os investidores realizaram lucros (recolheram lucros recentes), em meio ao nervosismo quanto ao comportamento dos mercados norte-americanos e preocupações com a inflação e as taxas de juro, disseram operadores. Entre as ações que mais caíram estavam as do setor de construção (Vinci -3,22%, Lafarge -2,77%, Bouygues -2,77%) e as dos bancos (Societé Générale -2,20%, Crédit Agricole -1,62%, BNP Paribas -2,23%). Segundo operadores, nesta terça-feira os investidores estarão atentos ao desempenho das Bolsas dos EUA e ao informe de resultados da EADS, do setor de tecnologia aeroespacial e militar; hoje, as ações da EADS caíram 3,48%. Na Bolsa de Frankfurt, o índice Xetra-DAX fechou em queda de 59,25 pontos (1,00%), em 5.857,03 pontos. A tendência de baixa dos mercados, trazida pela falta de sinalização de fim do ciclo de apertos monetários do Federal Reserve (banco central dos EUA), deverá prevalecer por algum tempo. De acordo com um operador, as quedas dos últimos dias foram exageradas e o DAX poderá ter uma recuperação técnica nesta terça-feira, mas isso dependerá do sentimento em outras Bolsas. Entre os destaques negativos do pregão estavam Deutsche Börse (-4,08%, ThyssenKrupp (-5,88%) e Marschollek (-4,68%). As ações da RWE subiram 1,71%, em reação a seu informe de resultados. Operadores disseram que nesta terça-feira o mercado estará atento à divulgação do índice de preços ao produtor dos EUA. Na Bolsa de Milão, o índice S&P-Mib fechou em queda de 467 pontos (1,23%), em 37.472 pontos. A queda foi atribuída ao sentimento negativo dos mercados globais e à abertura em queda das Bolsas dos EUA. As ações da Fiat caíram 3,45%, devido à realização de lucros. As transações com ações do clube de futebol Juventus, de Turim, foram suspensas depois de elas caírem 14,27%, em reação à notícia de que um de seus dirigentes estaria envolvido em um escândalo de manipulação de resultados do campeonato italiano. Na Bolsa de Madri, o índice Ibex-35 fechou em queda de 122,50 pontos (1,05%), em 11.587,70 pontos. O mercado espanhol acompanhou as quedas de outras Bolsas européias. As ações da Gamesa, que divulga resultados nesta terça-feira, caíram 4,83%. Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 fechou em queda de 69,00 pontos (0,70%), em 9.829,37 pontos. A queda foi atribuída à influência das baixas nas demais Bolsas européias e dos EUA. As ações do Banco Comercial Português caíram 0,84%, as da Energias de Portugal subiram 0,33% e as da Portugal Telecom, que divulga resultados nesta quinta-feira, recuaram 0,20%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.