Bolsas europeias fecham em queda com indicador fraco nos EUA

Índice de confiança das construtoras americanas de casas caiu para o nível mais baixo desde abril de 2009

Álvaro Campos, da Agência Estado,

19 de julho de 2010 | 14h21

A Bolsas europeias fecharam em leve queda, revertendo ganhos registrados mais cedo. A reversão aconteceu depois da divulgação do índice de confiança das construtoras norte-americanas de casas (NAHB), que caiu para o nível mais baixo desde abril de 2009. O índice pan-europeu Stoxx 600 recuou 1,93 ponto (0,78%), para 246,18 pontos. Amanhã não deve ser divulgado nenhum dado importante na zona do euro, mas nos EUA sai o dado de obras de novas moradias iniciadas em junho. Algumas ações de empresas importantes reagiram à divulgação de resultados do segundo trimestre, como Philips, com queda de 3,61% na Bolsa de Amsterdã, e Electrolux, que caíram 7,78% na Bolsa de Estocolmo.

"Nas últimas semanas, os dados econômicos têm decepcionado bastante o mercado e isso está aumentando os receios de que a recuperação econômica possa ser lenta; até mesmo as previsões de um segundo mergulho na recessão aumentaram", disse Joshua Raymond, estrategista de mercado da City Index. "Com os baixos volumes de negócios, isso certamente torna os ganhos vulneráveis a novas quedas, se for divulgado um indicador ruim ou uma notícia negativa."

Hoje, a agência de classificação de crédito Moody's rebaixou os títulos da dívida do governo da Irlanda de Aa1 para Aa2, citando "uma gradual, mas significativa perda de vigor financeiro do governo".

O índice FTSE-100, da Bolsa de Londres, fechou em queda de 10,57 pontos (0,20%) em 5.148,28 pontos. A atividade de fusões e aquisições impulsionou o sentimento dos investidores, após a confirmação de que a International Power está conversando com a GDF Suez sobre uma fusão de seus ativos. As ações da International Power fecharam em alta de 10,48%. As do banco Standard Chartered subiram 1,99%. As da BP tiveram queda de 4,74%. As conversas da empresa sobre vender metade da sua participação no campo de Prudhoe Bay (no Alasca) para a Apache foram suspensas duas vezes no fim de semana, noticiou a Bloomberg, citando uma pessoa próxima ao assunto. As ações da Tomkins subiram 27,75%, em reação a uma oferta de aquisição por parte da Onex Corp.

Na Bolsa de Frankfurt, o índice Xetra-DAX fechou em queda de 31,16 pontos (0,52%), em 6.009,11 pontos. Os volumes foram reduzidos. Um dos setores que puxaram a queda foi o automotivo. As ações da BMW caíram 1,89%, as da Volkswagen perderam 1,80% e as da MAN recuaram 2,18%. As ações da companhia de tecnologia Heidelberger Drückmaschinen subiram 5,96%, após um acordo para cortes de custos e um aumento das encomendas maior do que o esperado no primeiro trimestre. As ações da Siemens caíram 1,35%, depois de sua joint venture com a Nokia anunciar uma oferta por boa parte dos ativos de infraestrutura para trelefonia celular da norte-americana Motorola por US$ 1,2 bilhão.

O índice CAC-40, da Bolsa de Paris, fechou em queda de 13,83 pontos (0,40%), em 3.486,33 pontos. As ações da Peugeot-Citroën caíram 1,72% e as da Renault recuaram 2,03%. Mas as ações da EADS subiram 0,79%, após o anúncio de grandes contratos feitos na feira aérea de Farnborough. As da GDF Suez subiram 0,74%, em reação ao informe sobre as conversações para uma fusão com a International Power.

Na Bolsa de Madri, o índice Ibex-35 fechou em baixa de 61,90 pontos (0,62%) em 9.929,80 pontos. A suspensão das conversações entre o governo da Hungria e o FMI e a União Europeia para um acordo de crédito influenciou negativamente o mercado.. As ações da Telefónica caíram 0,25%, depois de a empresa anunciar que a oferta pela participação da Portugal Telecom (PT) na Vivo expirou. As do banco Banesto perderam 2,17% e as do Bankinter recuaram 2,97%.

O índice FTSE MIB, da Bolsa de Milão, fechou em queda de 43,48 pontos (0,22%), em 20.117,54 pontos. As ações do setor bancário fecharam em direções divergentes. As da Banca Popolare di Milano subiram 0,87%, as do UniCredit caíramu 0,70% e as da Intensa Sanpaolo perderam 1,67%. As da Telecom Italia subiram 2,30%, depois de analistas dizerem que a retirada da oferta da Telefónica pela participação da Portugal Telecom na Vivo alimenta "um pequeno apelo especulativo" pela unidade da empresa italiana no Brasil, a TIM.

Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 fechou em queda de 25,41 pontos (0,36%), em 7.111,70 pontos. As ações da produtora de cimento Cimpor caíram 1,89%; as do Banco Comercial Português (BCP) tiveram queda de 1,64%, as da operadora de rodovias Brisa recuaram 1,03% e as da Portucel Industrial subiram 1,46%. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.