Bolsas européias operam em alta com balanços positivos

As bolsas européias dão continuidade hoje aos ganhos registrados ontem, ainda ajudadas pelo depoimento do presidente do Fed (banco central americano), Ben Bernanke, ao Senado dos EUA. A divulgação de diversos balanços positivos de grandes empresas contribui para as altas dos índices de ações. A farmacêutica Roche, por exemplo, subia mais de 3%, depois de anunciar um lucro de 4,54 bilhões de francos suíços (US$ 3,64 bilhões) no primeiro semestre, superior às previsões de analistas. O resultado foi ajudado pelas fortes vendas de medicamentos contra o câncer e do Tamiflu, que combate a gripe aviária. Nokia avançava mais de 2% em Helsinque, também ajudada pelo balanço. A Essilor, maior fabricante de lentes para óculos do mundo, ganhava 2,7%, depois de anunciar crescimento de 15% de suas vendas no primeiro semestre deste ano em comparação com igual período do ano passado. A francesa EADS subia 1% depois que o diretor de vendas da Airbus, na qual a empresa tem uma fatia de 80%, afirmou prever que a Airbus e a Boeing irão vender juntas entre 1.100 e 1.200 aviões em 2006, um aumento em relação à previsão de 800 unidades anunciada no início do ano. John Leahy acrescentou que não vai desistir da batalha com a Boeing para vender aviões à Singapore Airlines. Em Londres, Capita Group era destaque, em alta de quase 7%. A fornecedora de serviços terceirizados divulgou um aumento maior que o esperado de 24% do lucro. Satisfeitos com os "resultados muito fortes em todas as divisões" do grupo, analistas do Citigroup elevaram o preço-alvo das ações da empresa. Xstrata subia 3,8%, com a expectativa de que a mineradora vai vencer a disputa pelo controle da canadense Falconbridge. British Airways ganhava quase 3%, com especulações renovadas de que a Emirates estaria interessada em comprar a empresa britânica. Às 9h20 (de Brasília), o índice FT-100, da Bolsa de Londres, subia 0,26%. Em Frankfurt, o índice Dax ganhava 0,52% e em Paris o CAC-40 operava em alta de 0,78%. As informações são de agências internacionais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.