Bolsas européias operam em baixa com mineradoras

As bolsas européias operam em leve baixa, pressionadas pelo fraco desempenho de papéis de mineradoras e de fabricantes de chips, em conseqüência do alerta feito ontem pela Texas Instruments. Os papéis das companhias de petróleo também cedem, com exceção das ações da British Petroleum, que anunciou seu balanço mostrando lucro melhor, em base ajustada. Às 8h46 (de Brasília), o índice FT-100, de Londres, operava estável; o índice CAC-40, de Paris, registrava queda de 0,23%; e o Xetra-DAX, de Frankfurt, operava em baixa de 0,10%. As ações da petrolífera britânica BP subiram 0,8% mais cedo. A companhia informou que obteve lucro líquido de US$ 6,23 bilhões no terceiro trimestre deste ano, 3,6% menor que o de US$ 6,46 bilhões de igual período do ano passado. A receita da companhia cresceu 4% nessa base de comparação, de US$ 67,96 bilhões para US$ 70,72 bilhões. O resultado do terceiro trimestre deste ano inclui um ganho não operacional líquido de US$ 1,23 bilhão, comparado com um encargo de US$ 921 milhões de igual período de 2005. Os papéis da STMicroelectronics, que anuncia seu balanço após o fechamento europeu, caíram 1,5%, depois de a Texas Instruments ter sinalizado que seus negócios na área de semicondutores estão desacelerando abaixo da média sazonal e que espera um lucro na faixa de US$ 0,40 a US$ 0,46 por ação no quarto trimestre. A previsão dos analistas para o período é de um lucro de US$ 0,45 por ação. Depois do fechamento do mercado ontem em Nova York, a Texas informou que obteve um lucro de US$ 702 milhões (US$ 0,46 por ação) no terceiro trimestre, um aumento de 11% sobre o resultado registrado em igual período do ano passado, ajudado pelas vendas mais fortes de seus chips usados em telefones celulares e outros equipamentos eletrônicos. A receita cresceu 13% para US$ 3,76 bilhões no terceiro trimestre. A mediana das previsões dos analistas entrevistados pela Thomson First Call era de um lucro de US$ 0,45 por ação sobre uma receita de US$ 3,8 bilhões. Os papéis da BHP Billiton, maior mineradora do mundo, caíram 1,4%, diante da queda de 19% em sua produção trimestral de cobre, refletindo impacto das greves realizadas na mina Escondida no Chile. A produção de prata, zinco, chumbo, urânio e produtos de petróleo e carvão também caíram. A companhia acrescentou que a falta de mão-de-obra e redução nos equipamentos e matéria-prima continuam na indústria, com problemas particularmente mais proeminentes no oeste australiano e no Golfo do México. As ações da Norsk Hydro, produtora de petróleo e alumínio, caíram 2%, depois de informar aumento inferior ao previsto, de 15%, em seu lucro e de reduzir as estimativas de produção de petróleo em 2006. Os papéis da companhia mineradora Anglo American recuaram 1,7%, depois de informar que a atual presidente do Grupo Primary Metal, da Alcan, Cynthia Carroll, irá integrar o conselho da Anglo American a partir de janeiro de 2007 e de que sucederá Tony Trahar como diretor-executivo. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.