Bolsas europeias recuam com incerteza sobre Grécia

Índice pan-europeu Stoxx 600 caiu 1,41 ponto, ou 0,53%, para 265,76 pontos

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado ,

20 de junho de 2011 | 14h44

Os principais índices do mercado de ações da Europa fecharam em queda depois de os países europeus adiarem mais uma vez decisões sobre o auxílio financeiro à Grécia. "Os mercados simplesmente não gostam de incerteza, então a expectativa é que operadores sigam avessos ao risco, empurrando as ações - e o euro - para baixo", disse Cameron Peacock, analista de mercado do IG Markets.

Após uma reunião em Luxemburgo ontem, os ministros de Finanças da zona do euro disseram que só vão decidir se a Grécia receberá um empréstimo de 12 bilhões de euros depois que os parlamentares de Atenas aprovarem as novas medidas de redução dos gastos públicos. O dinheiro faz parte do pacote de resgate de 110 bilhões de euros oferecido aos gregos no ano passado.

Os ministros também disseram que a Grécia precisará de mais ajuda financeira, visto que não conseguirá acessar os mercados de crédito até o início de 2012.

"Mesmo que a próxima parcela de recursos seja liberada para Atenas, a Grécia vai continuar sofrendo no longo prazo", disse Peacock, acrescentando que o país pode eventualmente decidir sair da zona do euro.

O índice pan-europeu Stoxx 600 caiu 1,41 ponto, ou 0,53%, para 265,76 pontos, acumulando queda de 5,4% desde o final de maio. Na Bolsa de Londres, o FTSE-100 recuou 21,55 pontos, ou 0,38%, para 5.693,39 pontos. Em Paris, o CAC 40 perdeu 24,08 pontos, ou 0,63%, para 3.799,66 pontos. Na Bolsa de Frankfurt, o Xetra DAX fechou em baixa de 13,84 pontos, ou 0,19%, a 7.150,21 pontos.

Em Milão, o índice FTSE MIB caiu 159,92 pontos, ou 0,81%, para 19.692,52 pontos. O IBEX 35, da Bolsa de Madri, perdeu 97,10 pontos, ou 0,96%, para 10.038,10 pontos. Em Lisboa, o PSI 20 teve queda de 146,48 pontos, ou 2,02%, para 7.107,10 pontos.

Entre os destaques da sessão, as ações do Lloyds Banking Group caíram 2,6% em Londres, as do Natixis perderam 2,4% em Paris e as do BBVA recuaram 1,1% em Madri. Em Milão, as ações do UniCredit perderam 2,2%, pressionadas também pela preocupação dos investidores com o potencial rebaixamento no rating (classificação de risco) da Itália pela agência de classificação de risco Moody''s.

Na sexta-feira, após o fechamento das bolsas europeias, a agência divulgou em um comunicado que colocou o rating Aa2 da Itália em revisão para possível rebaixamento, afirmando que o país pode sofrer com fraquezas econômicas estruturais, com os riscos de implementação dos planos de austeridade fiscal e com eventuais mudanças nas condições de financiamento de nações europeias que possuem elevado grau de endividamento.

Fora do setor bancário, as ações da EADS fecharam em baixa de 0,9% depois de a Airbus - que pertence à companhia - e a Boeing anunciarem as encomendas de novas aeronaves feitas durante o Paris Air Show. Outras empresas do setor aéreo, no entanto, fecharam em alta, impulsionadas pelo declínio nos preços do petróleo. A Deutsche Lufthansa subiu 1% em Frankfurt.

Problemas técnicos hoje atrasaram a abertura das bolsas de Paris, Lisboa, Bruxelas e Amsterdã, todas operadas pela NYSE Euronext. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasEuropacriseGrécia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.