Bolsas européias sobem à espera dos juros nos EUA

A queda das ações de mineradoras limita os ganhos na Bolsa de Londres esta manhã, que tem pouco volume de negócios por causa da expectativa com a reunião do Comitê de Mercado Aberto (Fomc) do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) sobre as taxas de juros. As ações da Kazakhmys caíam 4%, as da Anglo American recuavam 2,2% e as da BHP Billiton cediam também 2,2%, prejudicadas pela perda de US$ 5 bilhões em um período de uma semana anunciada pelo fundo de hedge Amaranth Advisors e relacionada às suas apostas no setor de energia. A siderúrgica Corus ganhava 1,5%, depois de o Morgan Stanley ter afirmado que um acordo que irá agregar valor à companhia poderá ocorrer dentro de alguns meses. O banco elevou a recomendação para as ações da empresa. British Airways ganhava 1,4%, beneficiando-se da queda do preço do petróleo. Os demais mercados europeus sobem mais que o londrino, com a melhoria do sentimento depois de um início cauteloso de pregão, mas também em compasso de espera pelo Fed. Em Frankfurt, ações com forte peso no índice registram valorização, como Continental, que ganhava 3,2%, com reportagens de que um consórcio liderado pela Bain Capital tentou comprar a fabricante de pneus e autopeças. SAP subia 1,2%, ajudada pelo balanço positivo da Oracle divulgado ontem, após o fechamento do mercado norte-americano. Em Paris, Accor subia 2,1%, com um relatório do Goldman Sachs afirmando que a ação da companhia é a melhor aposta dentro do setor hoteleiro. EdF recuava 0,8%, com a expectativa de que o governo poderá abrir o mercado varejista de energia à concorrência. EADS, controladora da Airbus, cedia 0,7%, prejudicada por uma reportagem do Les Echos informando que mais atrasos poderão ocorrer nas entregas do modelo A380 por causa de problemas de montagem. A empresa não confirmou nem negou a notícia. Às 9h15 (de Brasília), o índice FT-100, da Bolsa de Londres, subia 0,64%. O índice Dax, de Frankfurt, avançava 1,10% e o índice CAC-40, da Bolsa de Paris, ganhava 1,06%. As informações são da Dow Jones e de outras agências internacionais.

Agencia Estado,

20 de setembro de 2006 | 09h15

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.