Bolsas europeias sobem, com foco em operação do BCE

Ação deve ajudar a reduzir problemas de financiamento dos bancos e estimular compra de bônus soberanos

Danielle Chaves, da Agência Estado,

21 de dezembro de 2011 | 08h22

As bolsas europeias começaram a sessão de hoje em território positivo, enquanto os investidores esperam os resultados da operação de liquidez de longo prazo (LTRO, na sigla em inglês) do Banco Central Europeu (BCE), que ajudará a reduzir os atuais problemas de financiamento dos bancos e deverá estimular a compra de bônus soberanos. Às 8h07 (de Brasília), os bancos lideravam os ganhos nas bolsas europeias, com o FTSE de Londres subindo 0,52%, Paris avançando 0,98% e Frankfurt ganhando 0,89%.

A operação do BCE permite que os bancos tomem empréstimos de três anos com desconto mediante uma série de colaterais. Teoricamente, os bancos terão, então, um incentivo para comprar dívida soberana europeia. Observadores vêm chamando a operação de afrouxamento quantitativo "clandestino".

Gerard Lane, economista da Shore Capital, alertou, porém, que os problemas estruturais de longo prazo permanecem e que a austeridade fiscal e a desalavancagem das famílias não germânicas da zona do euro provavelmente continuarão limitando o crescimento. "Como resultado, a LTRO pode ser positiva no curto prazo se for bem sucedida, mas oportunidades de crescimento mais favoráveis se encontram fora da zona do euro", disse.

As estimativas de quanto os bancos pedirão emprestado vão de 200 bilhões de euros até 550 bilhões de euros e os resultados deverão ser divulgados por volta das 8h15 (de Brasília). O BCE fará uma segunda operação de liquidez em 28 de fevereiro de 2012.

Enquanto isso, o HSBC anunciou que sairá do negócio de private banking no Japão depois de movimentos similares de outros bancos que tentam enxugar suas operações. O negócio será vendido para o Credit Suisse. Royal Bank of Scotland, por sua vez, venderá parte de sua carteira de empréstimos imobiliários comerciais no Reino Unido para o Blackstone Group, segundo fontes.

Entre as ações em queda, a alemã SAP era destaque, depois de a concorrente norte-americana Oracle informar ontem que teve lucro e receita menores do que o esperado em seu segundo trimestre fiscal. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.