Bolsas europeias sobem com série de indicadores positivos

Dados divulgados nos EUA também surpreenderam positivamente e contribuíram para os ganhos das ações da Europa

Danielle Chaves, da Agência Estado,

28 de fevereiro de 2014 | 14h52

Uma série de indicadores econômicos positivos na Europa e nos EUA deu força às bolsas europeias no fim da sessão e fez com que a maioria delas fechasse em alta. As vendas no varejo da Alemanha subiram mais que o esperado em janeiro e a taxa de desemprego na zona do euro permaneceu estável em 12%. Os dados divulgados nos EUA também surpreenderam positivamente e contribuíram para os ganhos das ações europeias.

Com isso, o índice Stoxx Europe 600 deixou para trás os temores com a crise política na Ucrânia e o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da zona do euro - que ganhou força em janeiro e reduziu a pressão para o Banco Central Europeu (BCE) fornecer mais estímulos à economia do bloco. O Stoxx Europe 600 fechou em alta de 0,2%, aos 338,02 pontos, encerrando a semana com avanço de 0,6% e o mês com +4,8% - o melhor resultado mensal desde julho do ano passado.

A Bolsa de Frankfurt terminou com o índice DAX na máxima, aos 9.692,08 pontos, um avanço de 1,08% na sessão de hoje, de 0,36% na semana e de 3,03% no mês. Bayer ganhou 3,1% depois de elevar sua previsão de vendas de produtos para saúde, enquanto Lanxess caiu 0,8% ainda pressionado por um alerta sobre o lucro feito no início da semana.

Em Milão o índice FTSE MIB avançou 0,60% e também encerrou a sessão na máxima, aos 20.442,41 pontos - uma alta de 0,23% na semana e de 5,06% no mês. O setor bancário foi destaque positivo: Intesa Sanpaolo subiu 1,35% e Banca Popolare di Milano ganhou 4,55%, embora UniCredit tenha caído 0,77%. Telecom Itália teve alta de 1,2% depois de comentários feitos ontem sobre possíveis mudanças na governança da empresa. O índice PSI-20, da Bolsa de Lisboa, subiu 1,04% na sessão, 2,09% na semana e 8,52% no mês, para a máxima da sessão de 7.379,76 pontos.

Na Bolsa de Paris o índice CAC-40 subiu 0,27%, para 4.408,08 pontos. Na semana a alta acumulada foi de 0,62% e no mês foi de 5,32%. Total teve valorização de 1,5%, impulsionada pela elevação da recomendação para suas ações, enquanto Vallourec recuou 2,7% um dia depois de anunciar um aumento no lucro líquido, mas fazer previsões cautelosas para os ganhos futuros. As ações do setor de telecomunicações foram pressionadas pela queda de 1,4% da Orange e de 1,0% da Bouygues Telecom em meio à contínua guerra de preços e às especulações sobre uma consolidação no setor.

Contrariando a tendência geral positiva, a Bolsa de Madri teve queda de 0,49% no índice Ibex-35, para 10.114,20 pontos. Na semana houve alta de 0,43% e no mês o índice subiu 2,38%. Sacyr e FCC pesaram sobre o índice, com perdas de 3,92% e 8,48%, respectivamente, após anunciarem prejuízos trimestrais. Bankia também foi destaque entre as quedas, com -3,73%. Hoje o governo da Espanha vendeu 7,5% de sua participação no banco, em um primeiro passo para reduzir o controle estatal sobre a empresa.

Em Londres o índice FTSE-100 fechou praticamente estável, com leve declínio de 0,01%, aos 6.809,70 pontos. O índice recuou 0,41% na semana e avançou 3,61% no mês. As ações da Pearson lideraram as perdas, com -5,9%, após a editora britânica informar que seu lucro operacional diminuiu no ano passado em razão do enfraquecimento dos negócios de educação da empresa nos EUA.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas de valores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.