Bolsas europeias sobem puxadas pelo setor privado

Os principais índices do mercado de ações da Europa fecharam o dia em leve alta, impulsionados por dados positivos sobre a atividade do setor privado da zona do euro - que reúne os 17 países que utilizam o euro como moeda. Investidores em busca de oportunidades, após a queda dos preços de ontem, também contribuíram para os negócios.

GUSTAVO NICOLETTA, Agencia Estado

20 de abril de 2011 | 14h49

O índice pan-europeu Dow Jones Stoxx 600 fechou em alta de 0,50%, aos 274,42 pontos. Na Bolsa de Londres, o FTSE 100 subiu 0,46%, para 5.896,87 pontos. Em Paris, o CAC 40 avançou 0,70%, para 3.908,58 pontos. O Xetra DAX, da Bolsa de Frankfurt, teve ganho de 0,18%, para 7.039,31 pontos.

Na Bolsa de Milão, o índice FTSE MIB subiu 0,31%, para 21.249,90 pontos. Em Madri, o IBEX 35 fechou em alta de 0,31%, para 10.376,50 pontos. Na Bolsa de Lisboa, o PSI 20 avançou 0,53%, para 7.586,27 pontos.

Mais cedo, a empresa de pesquisas Markit informou que o índice de atividade do setor privado da zona do euro subiu para 57,8 em abril, ante 57,6 em março. Analistas esperavam queda para 57,0.

David Gualtieri, diretor de vendas de ações da Intermoney Valores, disse que o volume de negócios nas bolsas está diminuindo por causa da proximidade do feriado prolongado de Páscoa. Ele recomendou cautela na interpretação dos movimentos do mercado. "Ninguém quer assumir posições compradas no momento, nem posições vendidas. O aumento de hoje é apenas uma pequena oscilação em meio a um volume baixo."

Entre os destaques da sessão, a sueca SKF subiu 6,4%, depois de anunciar que seu lucro líquido do primeiro trimestre cresceu 52% na comparação com igual período do ano anterior. No setor de luxo, a LVMH fechou em alta de 5% em Paris, após a empresa ter divulgado ontem que sua receita no primeiro trimestre aumentou 17%, para 5,25 bilhões de euros, superando a estimativa dos analistas.

Entre os supermercados, as ações da rede Tesco caíram 1,6%. A companhia informou que seu lucro líquido do primeiro trimestre cresceu 14%, mas apresentou números de vendas fracos para o Reino Unido. Em Paris, os papéis da Electricité de France (EdF) subiram 3,8%. O ministro de Energia da França, Eric Besson, disse que a companhia será autorizada a vender eletricidade gerada em usinas nucleares para os concorrentes por um valor inicial de 42 euros por megawatt/hora a partir de janeiro. O preço equivale ao que havia sido solicitado pela EdF, que concorre com empresas como a GDF Suez. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.