Bolsas fecham em queda em NY após recordes recentes

Os índices acionários das bolsas de Nova York fecharam em queda, em uma correção após a série recente de fechamentos recordes. Além disso, no fim do pregão as ações dos setores imobiliário e bancário ampliaram as perdas e levaram os índices às mínimas do dia.

Agencia Estado

14 de maio de 2014 | 18h37

O índice Dow Jones, que ontem teve o terceiro fechamento recorde consecutivo, deu fim a uma série de cinco altas seguidas e caiu 101,47 pontos (0,61%), para 16.613,97 pontos. O Nasdaq recuou 29,54 pontos (0,72%), para 4.100,63 pontos, e o S&P 500 perdeu 8,92 pontos (0,47%), para 1.888,53 pontos.

As construtoras ajudaram a pressionar o setor de consumo discricionário dentro do índice S&P 500, que foi o setor que teve a maior queda no dia, de 1,1%. Indicadores recentes sobre o setor imobiliário sinalizaram que o crescimento perdeu força neste ano, especialmente durante o rigoroso inverno. Na sexta-feira serão divulgados dados sobre construções de moradias no país.

"Cada medida para qual olhamos mostra que a recuperação do setor imobiliário vem esfriando", comentou Erin Gibbs, gerente de carteira de ações da S&P Capital IQ. "Não vou investir um dólar antes de ver os números de abril", disse.

As ações dos bancos também foram destaque negativo em um dia em que o juro da T-note de 10 anos atingiu o nível mais baixo desde outubro do ano passado, em meio a um rali global nos preços dos bônus soberanos diante dos sinais dos principais bancos centrais do mundo de que vão manter as políticas acomodatícias por mais algum tempo. "O grande tema é o que está acontecendo com os juros no momento", afirmou David Lutz, diretor de fundos negociados em bolsa da Stifel Nicolaus & Co. "Taxas de juros baixas são ruins para as margens" dos bancos, explicou. O setor financeiro caiu 0,9% dentro do índice S&P 500.

Na sessão desta quarta-feira também voltou a haver queda nas ações de empresas de baixa capitalização, as "small-caps", já que muitas delas operam em valores considerados excessivamente altos. O índice Russell 2000, que acompanha esses papéis, está com valorização quase 19 vezes acima do esperado para o próximo ano, de acordo com dados do Bank of America Merrill Lynch. O índice caiu 1,6% hoje.

No noticiário macroeconômico, o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) dos EUA subiu 0,6% em abril, na comparação com março, mais do que a estimativa de alta de 0,2%. Excluindo itens voláteis, o núcleo do PPI aumentou 0,3%, também superando a projeção de +0,2%. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolsas de Valores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.