Bolsas nos EUA fecham em alta, aliviadas com Síria

Dow Jones e S&P 500 encerraram nas máximas da sessão; apenas a Nasdaq teve queda, pressionada pelas ações da Apple 

Stefânia Akel, da Agência Estado,

11 de setembro de 2013 | 17h42

As bolsas de Nova York fecharam majoritariamente em alta nesta quarta-feira, com o alívio com a Síria prevalecendo. As ações da Apple, porém, pesaram sobre o Nasdaq, que fechou em queda, enquanto o Dow Jones e o S&P 500 fecharam nas máximas da sessão.

O índice Dow Jones subiu 135,54 pontos (0,89%), fechando a 15.326,60 pontos. Nas últimas três sessões, o índice ganhou mais de 400 pontos. O Nasdaq perdeu 4,01 pontos (0,11%), encerrando a sessão a 3.725,01 pontos e recuando pela primeira vez em sete sessões. O S&P 500 teve alta de 5,14 pontos (0,31%), terminando a 1.689,13 pontos. No acumulado do ano, o índice já avançou 18%.

As autoridades do governo russo enviaram hoje aos EUA o plano que colocaria as armas químicas da Síria sob controle da comunidade internacional, o que concedeu algum alívio para as preocupações com a Síria. A Casa Branca disse há pouco que a avaliação da proposta da Rússia levará algum tempo.

Os índices recuperaram neste início de mês grande parte das perdas de agosto, decorridas com as tensões relacionadas à Síria. "Toda vez em que há alguma notícia negativa para o mercado de ações, os vendedores entram em cena e, após alguns dias, eles são punidos", comentou Viren Chandrasoma, analista do Credit Suisse.

Agora o foco está migrando para a reunião de política monetária do Federal Reserve, na semana que vem. Steven Wieting, estrategista do Citi Private Bank, disse que espera uma redução das compras mensais de bônus de entre US$ 10 bilhões e US$ 15 bilhões. Segundo ele, essa quantia já foi "amplamente precificada" pelo mercado de ações. "Mesmo assim, eu não diria que a volatilidade e preocupação com o Fed estão de fora neste momento", afirmou.

A agenda de indicadores de hoje estava vazia e o único destaque foram os estoques no atacado. Segundo o Departamento do Comércio, os estoques no atacado subiram 0,1% em julho ante junho, ficando abaixo da previsão de economistas de alta de 0,3%.

No noticiário corporativo, as ações da Apple recuaram 5,44% após a empresa lançar dois novos iPhones. Além de boa parte das novidades ter vazado antes do lançamento e já estarem precificadas, analistas acreditam que a estratégia de preços da companhia não é favorável. Os papeis haviam avançado 11% no mês anterior ao anúncio.

Já a Verizon Communications, componente do Dow Jones, subiu 0,1% com a venda recorde de US$ 49 bilhões em bônus nesta quarta-feira.

Na Europa, as bolsas fecharam com leves ganhos, após uma sessão volátil. Em uma dia sem grandes notícias macroeconômicas, acabou prevalecendo o alívio com a Síria, após o presidente dos EUA recuar ontem sobre a possibilidade de uma intervenção militar no país. O índice pan-europeu Stoxx 600 ganhou 0,35%, fechando a 310,88 pontos, o maior nível desde junho de 2008.

Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.