Bolsas nos EUA renovam recordes após anúncio do Fed

Dow Jones avançou 0,95%, fechando em 15.676,94 pontos; S&P 500 subiu 1,22%, terminando o dia em 1.725,52 pontos

Agência Estado

18 de setembro de 2013 | 17h53

Os principais índices acionários das Bolsas de Nova York renovaram recordes no pregão desta quarta-feira, 18, impulsionados pela manutenção dos estímulos do Federal Reserve, o banco central norte-americano. A maioria dos analistas esperava uma redução, ainda que pequena, nas compras mensais de bônus, atualmente em US$ 85 bilhões.

O índice Dow Jones avançou 147,21 pontos (0,95%), fechando no nível recorde de 15.676,94 pontos. O S&P 500 subiu 20,76 pontos (1,22%), terminando na máxima histórica de 1.725,52 pontos. O Nasdaq ganhou 37,94 pontos (1,01%), encerrando a sessão a 3.783,64 pontos, o maior patamar desde setembro de 2000. O Dow Jones e o S&P 500 também renovaram seus recordes durante os negócios (intraday), a 15.709,58 pontos e 1.729,44 pontos, respectivamente.

Os três índices registravam ligeiras perdas momentos antes de o Fed anunciar a manutenção dos estímulos à economia, contrariando expectativas. A estrategista de investimentos da Edward Jones, Kate Warne, se mostrou surpresa com a decisão. "Nós imaginávamos que eles dariam um pequeno passo hoje em vez de não fazer nada", disse.

Na coletiva de imprensa, o presidente do BC dos EUA, Ben Bernanke, disse que o Fed poderá retirar parte dos estímulos ainda neste ano, mas o movimento continua dependendo dos dados econômicos. O programa de compra de ativos não tem uma data estabelecida para terminar, ressaltou.

Bernanke ainda comentou que o banco central pode tomar grandes decisões de política monetária em qualquer reunião, não somente nas que coincidem com entrevistas à imprensa. O próximo encontro do Fomc (sigla em inglês para Comitê de Política Monetária), nos dias 29 e 30 de outubro, não será seguido por conversa com jornalistas. "Agora estamos de volta a isso, onde em qualquer indicador econômico nós teremos que analisar para ver o que o Fed pensa", afirmou Marc Doss, diretor de investimentos da Wells Fargo Private Bank.

As ações do setor de serviços públicos foram o destaque do pregão, com essa divisão do S&P 500 avançando 2,7%. Dos destaques corporativos, as ações da FedEx saltaram 5,03%, impulsionadas pelo resultado do primeiro trimestre fiscal da empresa, cujo lucro superou as projeções dos analistas. Os papéis da Adobe Systems dispararam 9,22%, guiados pelo anúncio de que a empresa tem mais assinantes do que o esperado no serviço Creative Cloud.

Os maiores ganhos do Dow Jones ficaram por conta das ações da Alcoa (+3,57%), Coca-Cola (+2,06%) e Cisco Systems (+1,74%). A única ação a fechar em queda foi a da UnitedHealth Group, com desvalorização de 1,71%. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.