Bolsas reagem de lado a documento do BC americano

Os mercados acionários, tanto no Brasil como nos Estados Unidos, tiveram uma primeira reação positiva ao conteúdo do Livro Bege, sumário das condições econômicas norte-americanas preparado pelo Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) e divulgado esta tarde. Em seguida, contudo, os ganhos foram anulados. O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, renovou a pontuação máxima do dia, atingindo alta de 0,72%, para 42.930 pontos, minutos após a divulgação do documento - que ocorreu às 17 horas (de Brasília). Mas, às 17h17, o Ibovespa subia apenas 0,22%, para 42.716 pontos. Nas Bolsas de Nova York, o índice Dow Jones também acelerou os ganhos, chegando a registrar 12.614 pontos. Às 17h17 (de Brasília), o índice tinha alta de 0,05%, para 12.588 pontos. O Nasdaq, da Bolsa eletrônica, aprofundou suas perdas para -0,45%. Já os juros futuros dos Estados Unidos registraram alta nas taxas, com os títulos do Tesouro com vencimento em 10 e em 30 anos apontando as máximas taxas do dia (4,7872% e 4,87795%, respectivamente). A alta das taxas pode indicar aumento nas apostas dos investidores de que o BC americano volte a elevar as taxas de juros do país mais cedo do que o esperado antes da divulgação do Livro Bege. O documento do Fed, afirmou que a economia cresce a um "ritmo modesto" e que o mercado de moradia continua a se enfraquecer, mas que as altas de preço estão moderadas, por causa do custo da energia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.