Bonsucesso prepara abertura de capital para junho de 2007

O presidente do Banco Bonsucesso, Paulo Henrique Pentagna Guimarães, afirmou que a instituição está se preparando para a abertura de capital e a expectativa é de que a emissão de ações (com ofertas primária e secundária) seja realizada até junho deste ano. O coordenador da operação deverá ser definido nos próximos dias. Ele revelou que a transação foi definida depois que se intensificou o assédio dos grandes bancos sobre as instituições de médio porte. ?Não dá para o Bonsucesso ficar com o desenho que tem. Precisamos de uma maior capitalização, para ampliar a escala e a alternativa é o IPO?, afirmou. A venda da instituição foi completamente descartada, ainda que Guimarães considere um risco a proposta hostil de compra por uma grande instituição financeira, na esteira de outras aquisições que vêm sendo observadas no mercado. ?Proposta hostil pode haver, mas o banco não será vendido?, afirmou. ?Eu acredito que o banco consiga atingir um patrimônio líquido de R$ 500 milhões?, prevê. Hoje, o banco publicou o balanço do exercício de 2006 no qual apurou um lucro de R$ 60,6 milhões, crescimento de 4,8% em relação ao ano anterior. O patrimônio líquido subiu 62%, para R$ 131,4 milhões. A rentabilidade sobre o patrimônio líquido médio foi de 55%. As operações de crédito consignado do Bonsucesso registraram aumento de 42%, em comparação com o ano anterior, e chegaram a R$ 1,1 bilhão. O total da carteira de crédito chegou a R$ 393 milhões, com avanço de 68%. A captação de recursos total em 2006 subiu 92%, para R$ 475 milhões. Somente em operações de CDB, o aumento foi de 72%, com volume de R$ 389 milhões. ?Diante de um crescimento estrondoso como foi em 2005, eu não poderia imaginar que teríamos um crescimento maior ainda em 2006?, disse Guimarães. O cenário econômico favorável, com a queda de juros e a expansão do crédito, foi considerado fator importante para o incremento dos negócios no País. O banco mineiro, que está há 15 anos no mercado, tem os negócios focados no crédito consignado aos setores público e privado e aos aposentados do INSS, por meio de 160 convênios firmados e está entre as quatro maiores instituições financeiras voltadas para este tipo de crédito no Brasil. Atualmente o Bonsucesso está presente em todos os Estados por meio de seus 17 escritórios regionais, mais de 400 correspondentes bancários, 3 mil agentes comerciais e 2,6 mil pontos-de-venda. Além do mercado de crédito consignado, o banco também atua no setor de middle market, com operações de recebíveis para pequenas e médias empresas. A instituição é controlada pela família Pentagna Guimarães, uma das mais tradicionais de Belo Horizonte, e faz parte do grupo de mesmo nome que iniciou a atuação com a abertura de uma concessionária de veículos na década de 60. O processo de abertura de capital ainda não foi desenhado, mas conforme o executivo a idéia é a realização da capitalização da instituição, com integralização pela própria família. Em seguida deverão ser realizadas as ofertas primária e secundária. A perda do controle pela família foi completamente descartada pelo presidente do banco. ?O Bonsucesso não tem viés de venda.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.