Bônus da dívida dos emergentes recuam com menor apetite por risco

O Global40 - principal título da dívida externa brasileira - subiu 0,1875 para 133,75 cents

Suzi Katzumata, da Agência Estado,

31 de março de 2010 | 18h56

Os bônus da dívida dos países emergentes caíram frente aos Treasuries (títulos públicos norte-americanos) em Nova York, com os investidores fugindo dos ativos de maior risco na sequência de um fraco dado do mercado de mão de obra dos EUA, segundo participantes do mercado.

 

Os mercados foram sacudidos pelo inesperado declínio de 23 mil vagas no setor privado em março, de acordo com a pesquisa nacional da ADP/MA. Os economistas entrevistados pela Dow Jones projetavam um ganho de 50 mil vagas.

 

O spread de risco do Emerging Market Bond Index Global do JPMorgan abriu em 2 pontos-base sobre os Treasuries, com um ganho de 0,06%.

 

Em Nova York, o Global40 - principal título da dívida externa brasileira - subiu 0,1875 para 133,75 cents (preço de oferta). Em São Paulo, na corretora ICAP, o Global40 subiu 0,22% e fechou a 133,95 cents, que também foi a mínima do dia; a máxima foi de 134,00 cents. O spread do Brasil no EMBIG abriu em 2 pontos-base para 182 pontos-base sobre os Treasuries, com um ganho de 0,18%.

 

Entre as notícias do dia, a Argentina vai lançar seu aguardado plano de swap de até US$ 20 bilhões em bônus em default no dia 14 de abril, segundo informou o ministro da Economia, Amado Boudou. O anúncio ocorre um dia depois de dois tribunais de justiça argentinos terem aberto o caminho para o governo usar parte das reservas internacionais do Banco Central para realizar os pagamentos da dívida externa. Com a oferta, a Argentina espera encerrar o capítulo dos chamados "holdouts", portadores de bônus da dívida em default que se recusaram a participar da reestruturação da dívida em 2005.

 

O spread da Argentina no EMBIG abriu em 5 pontos-base para 645 pontos-base, com um declínio de 0,13%.

 

Os bônus da dívida soberana da Venezuela deram continuidade ao seu recente padrão de fortalecimento, com o spread de risco do país no EMBIG caindo 16 pontos-base para 893 pontos-base sobre os Treasuries, com um ganho de 0,82%.

 

Na Europa emergente, o spread da Rússia no EMBIG abriu em 3 pontos-base para 165 pontos-base sobre os Treasuries, com um ganho de 0,07%.

 

A Turquia surpreendeu os mercados ao anunciar um crescimento de 6% do PIB no quarto trimestre. Contudo, com o aumento no déficit comercial e desemprego em alta, os analistas alertaram contra o excesso de otimismo com base no dado.

 

"O dado do crescimento do quarto trimestre provavelmente exagera a situação real da economia", disse o Capital Economics em nota para clientes. "O dado está distorcido pelo fato de que o quarto trimestre de 2009 teve dois dias úteis a mais do que em 2008." O Capital Economics também observou que o dado ajustado mostrou que o ritmo de crescimento trimestral de fato desacelerou para 2,3%, de 2,7% no terceiro trimestre.

 

O spread de risco da Turquia no EMBIG abriu em 1 ponto base para 206 pontos-base sobre os Treasuries, com uma perda de 0,02%. As informações são da Dow Jones e de fontes do mercado.

 

Tudo o que sabemos sobre:
emergentesbônusGlobal 40

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.