Bônus de emergentes caem por cautela antes de dados dos EUA

Receios sobre a economia norte-americana impediram aumento da exposição ao risco

Álvaro Campos, da Agência Estado,

30 de agosto de 2010 | 18h30

Os bônus dos mercados emergentes foram pressionados hoje pela cautela dos investidores antecedendo dados econômicos importantes dos EUA que serão divulgados nesta semana. O volume de negócios foi pequeno, com a redução tradicionalmente observada durante o verão (no Hemisfério Norte) sendo acentuada por um feriado bancário no Reino Unido hoje e pelo feriado do Dia do Trabalho nos EUA na próxima segunda-feira. Os receios sobre a economia norte-americana também impediram o aumento da exposição ao risco, especialmente com a divulgação do payroll na sexta-feira.

 

O prêmio de risco do Emerging Markets Bond Index Global (Embig), do JPMorgan, aumentou 13 pontos-base, para 321 pontos-base sobre os Treasuries. O índice caiu 0,24% em termos de preço. O bônus referencial do Brasil, o Global 2040, perdeu 0,125 cents, a 136,0625 cents por dólar.

 

As dívidas da Colômbia tiveram um dos piores desempenhos do dia, com seu spread sobre os Treasuries aumentando 18 pontos-base, para 196 pontos-base. O índice do país caiu 1,01%. "Nós observamos uma performance muito forte das dívidas colombianas nas últimas seis semanas, o que está fazendo com que elas revertam parte desses ganhos", disse um trader em Nova York. O presidente Juan Manuel Santos apresentou seus planos de reforma econômica para alguns dos banqueiros mais poderosos do país na semana passada, que mostraram um forte apoio ao seu programa, mas ficaram decepcionados com a decisão do governo de manter temporariamente um imposto sobre transações financeiras.

 

Mas Santos se propôs a discutir a eliminação de um teto que o governo estabelece para as taxas de juros que os bancos podem cobrar nos empréstimos para o consumidor, que é uma das principais demandas dos banqueiros do país. O governo

também está planejando uma reforma trabalhista que tornaria mais barato para as empresas contratarem empregados que estão começando no primeiro emprego. Algumas das reformas podem ser enviadas ao Congresso ainda esta semana, e devem ter apoio dos legisladores.

 

O prêmio de risco dos bônus do Chile aumentou 10 pontos-base, para 127 pontos-base sobre os Treasuries, enquanto seu índice subiu 0,01%. Dados do governo mostraram hoje que a produção industrial do país aumentou 3,3% em julho na comparação com o mesmo mês do ano passado, com o país continuando a se recuperar da crise financeira mundial e do devastador terremoto de fevereiro.

 

O spread da Argentina no Embig aumentou 7 pontos-base, para 778 pontos-base sobre os Treasuries, e o índice do país ganhou 0,34%, após várias sessões de quedas. "Na semana passada as dívidas argentinas perderam 6,3%, o que fez com que o retorno no ano caísse para 9,7%", disse Enrique Alvarez, da IDEAglobal.

 

Na Polônia, o Escritório Central de Estatísticas informou que o PIB do país cresceu a uma taxa anual de 3,5% no segundo trimestre, devido basicamente à demanda interna. O spread do país no Embig aumentou 10 pontos-base, para 160 pontos-base sobre os Treasuries, e seu índice subiu 0,01%. O dado do crescimento embasa a recente retórica do banco central polonês sugerindo um aumento iminente das taxas de juros nos próximos meses, disseram analistas do RBC. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bônusemergentesrisco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.