Bônus de emergentes têm recuperação e encerram a semana quase estáveis

Cautela veio dos temores de uma nova recessão nos países desenvolvidos

Álvaro Campos, da Agência Estado,

20 de agosto de 2010 | 18h21

Os bônus de mercados emergentes se recuperaram hoje, com as bolsas norte-americanas reduzindo as perdas registradas mais cedo, e encerraram a semana com uma pequena variação. Os receios renovados sobre o crescimento global e a possibilidade de uma nova recessão nos países desenvolvidos espalhou a cautela nos mercados esta semana. Embora o recente rali nos bônus de países em desenvolvimento tenha acabado, esses títulos têm conseguido manter bons resultados.

 

O prêmio de risco do Emerging Markets Bond Index Global (Embig), do JPMorgan, diminuiu 3 pontos-base hoje, para 297 pontos-base sobre os Treasuries. O índice perdeu 0,06% em termos de preço. Na semana, o spread do Embig sobre os Treasuries diminuiu 5 pontos-base. Nesta sexta-feira, o bônus referencial do Brasil, o Global 2040, perdeu 0,1875 cents, a 138,6875 cents por dólar.

 

Os bônus da Argentina foram o destaque do dia, com seu prêmio de risco sobre os Treasuries caindo 20 pontos-base, para 686 pontos-base, embora seu índice tenha perdido 0,44%. Segundo o Instituto Nacional de Estatística e Censo da Argentina (Indec), o índice de atividade econômica em junho avançou 11,1% ante o mesmo mês do ano passado, apesar de ter caído 0,6% em relação a maio deste ano. Além disso, a produção industrial de julho cresceu 7,9% em comparação a julho de 2009.

 

O spread do México no Embig recuou 2 pontos-base, para 170 pontos-base sobre os Treasuries, e o índice do país ganhou 0,11%. Hoje, o banco central mexicano manteve inalterada sua taxa básica de juros em 4,5%. Mas o banco alertou que a desaceleração da recuperação econômica dos EUA pode prejudicar a produção industrial mexicana, que é voltada para a exportação. Isso levou os yields dos bônus locais, que se movem em sentido inverso ao dos preços, a cair para mínimas recordes. O yield do bônus de 10 anos, com vencimento em 2020, recuou 14 pontos-base, para 5,96% durante a sessão, enquanto o yield do bônus de 20 anos, que expira em 2029, diminuiu 10 pontos-base, a 6,70%.

 

A dívida da Colômbia ficou estável hoje, com seu spread em 150 pontos-base sobre os Treasuries. O índice do país caiu 0,08%. O banco central colombiano informou que não vai retomar a compra de dólares, mas não descartou potenciais intervenções no mercado de câmbio no futuro. O banco também anunciou que manteve sua taxa básica de juros em 3,0%. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bônusemergentesriscodívida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.