Bônus emergentes caem após S&P

Spread (retorno do investidor) dos bônus do Brasil ampliou-se em 1 ponto-base, para 178 pontos-base acima dos Treasuries

Renato Martins, da Agência Estado ,

18 de abril de 2011 | 18h48

Os bônus da dívida dos países emergentes caíram, depois de a Standard & Poor's (S&P) rebaixar a perspectiva do rating dos EUA de "estável" para "negativa". O prêmio de risco do índice Emerging Markets Bond Index Global (Embig) ampliou-se em 6 pontos-base, para 306 pontos-base acima dos títulos do Tesouro dos EUA; em termos de preço, o Embig caiu 0,31%.

Segundo o analista Enrique Alvarez, da IdeaGlobal, os ativos emergentes "aproveitaram a decisão da S&P para se consolidar", depois das altas recentes.

O spread (retorno do investidor) dos bônus do Brasil ampliou-se em 1 ponto-base, para 178 pontos-base acima dos Treasuries (títulos do Tesouro norte-americano); em termos de preço, sua parcela no Embig ficou estável. O mercado está na expectativa da decisão do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), na quarta-feira.

O prêmio de risco dos bônus da Hungria cresceu 5 pontos-base, para 256 pontos-base acima dos Treasuries, depois de o banco central do país manter sua taxa básica de juros inalterada em 6% pela terceira reunião consecutiva. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bônusdívidaemergentes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.