Bovespa abre com ganho, mas EUA inspiram cautela

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu hoje com ganho, após ter se desvalorizado 11% desde a terça-feira da semana passada, quando a China despertou os mercados para a aversão ao risco, acompanhando o alívio nas principais praças financeiras do mundo. Na Ásia, a bolsa de Tóquio fechou com valorização de 1,2%, interrompendo seis pregões seguidos de perdas. A Bolsa de Xangai subiu 2%, puxada pelos ganhos do setor bancário. Se o mercado internacional mantiver o sinal positivo ao longo do dia, a Bovespa deve sustentar a recuperação técnica. Às 11h18, a bolsa subia 2,82%, aos 42.339 pontos. Mas resta ver a reação dos investidores aos dados sobre vendas de imóveis pendentes em janeiro que serão divulgados nesta terça-feira nos Estados Unidos, assim como os números das encomendas à indústria. Os investidores também prestarão atenção ao discurso do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Ben Bernanke. As bolsas européias ensaiam alta de quase 1%, ajudada pela expectativa de abertura favorável em Nova York e por alguns resultados fortes. Em Londres, a bolsa registrava ganho de 0,77%, puxada pelas ações das mineradoras. Os contratos do cobre e ouro operam sustentados pelo fortalecimento dos mercados acionários. Às 11h16 (de Brasília), o petróleo subia 0,96%, a US$61,12%, em Londres, e 0,66%, a US$ 60,46% o barril em Nova York, o que deve impulsionar as ações de Petrobras, que ontem contribuíram fortemente para baixa da bolsa paulista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.