Bovespa abre com ganho, sustentada pelo exterior

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu em alta, dando continuidade ao movimento positivo da véspera (quando bateu recorde de fechamento, aos 46.090 pontos), e estimulado pelo cenário externo, onde as bolsas européias sobem firmes e os índices futuros em Nova York também apontam a mesma direção. Às 11h10, a Bovespa tinha valorização de 0,77%, aos 46.443 pontos. No segmento de metais de base, o cobre para três meses subia 1% há pouco na London Metal Exchange. O níquel para três meses também subia 1%. O ouro, que ontem subiu 4%, cedia com realização de lucros, mas a baixa estava sendo zerada há pouco. No GTS, o Ibovespa futuro espelhava otimismo, em alta de 0,98%, a 47.360 pontos. "A Bolsa só não sobe mais por causa de Petrobras", comentou um profissional, referindo-se ao papel que tem maior peso no índice e cujo comportamento tem obedecido mais a movimentos técnicos do mercado do que propriamente a fundamentos. Ontem, mesmo com os contratos futuros de petróleo oscilando acima de US$ 60,00 por barril, os papéis da estatal fechavam o dia sem consenso, com as ações ON (ordinária) em alta e as PN (preferencial) em queda. De qualquer forma, os papéis registravam alguma recuperação no fechamento, depois das baixas verificadas pela manhã. Nos EUA, os dados relevantes e que podem eventualmente influenciar o comportamento da Bolsa são o número de pedidos de auxílio-desemprego semanal e estoques de petróleo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.