Bovespa abre em alta à espera da fala de Bernanke

Às 11h08, o índice Bovespa (Ibovespa) subia 0,33%, aos 66.323 pontos.

Sueli Campo, da, Agência Estado

24 de fevereiro de 2010 | 11h18

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu em alta hoje, à espera do início do depoimento do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano), Ben Bernanke, ao Congresso norte-americano, previsto para as 12 horas, o evento mais esperado da semana e considerado o fator de direção do dia para todos os mercados. A fala de Bernanke pode até eclipsar o dado de vendas de imóveis novos em janeiro, que costuma ser importante para os preços das ações. Às 11h08, o índice Bovespa (Ibovespa) subia 0,33%, aos 66.323 pontos.

A direção a ser tomada hoje pela Bovespa vai depender basicamente do tom do discurso de Bernanke, que vai falar sobre política monetária. Se a autoridade monetária disser que o aumento da taxa de redesconto dos bancos na última semana está relacionado ao aquecimento da economia, a leitura do mercado tende a ser negativa inicialmente. O mercado deve associar esse tipo de declaração a um sinal de que pode estar próximo o início do ciclo de elevação da taxa básica de juro nos Estados Unidos. Se, por outro lado, Bernanke endossar o discurso de várias autoridades do Fed que negaram que a alta da taxa do redesconto fosse um passo em direção a um aperto nos Fed Funds, o mercado de ações deve ter uma reação positiva.

Enquanto espera a fala de Bernanke, que ocorre no mesmo horário do depoimento, também ao Congresso, do secretário do Tesouro, Timothy Geithner, a Bolsa deve ser marcada por um ajuste pontual de preços das ações de empresas que divulgaram balanços entre ontem à noite e hoje de manhã, o que deve promover mais liquidez.

É o caso de BM&FBovespa, que na noite de ontem informou ter registrado lucro líquido de R$ 315,3 milhões no quarto trimestre de 2009, alta de 55,8% ante igual período de 2008. O resultado foi sustentado pelo crescimento das receitas no segmento Bovespa, refletindo o aumento das operações com ações que atingiu níveis históricos no final do ano passado. O segmento Bovespa foi responsável por 51% das receitas no acumulado de 2009. A Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) respondeu por 32% e as demais receitas tiveram participação de 17%. Ontem, BM&FBovespa fechou em queda de 2,2% e a expectativa hoje é de que os papéis mostrem recuperação.

Também ontem à noite, TIM Participações anunciou lucro líquido de R$ 330 milhões no quarto trimestre do ano passado, o que representa uma queda de 14% em relação ao mesmo período de 2008. Hoje após o fechamento saem os resultados da Natura, Tractebel e Ultrapar. Esta manha anunciaram resultado Weg, Duratex e Confab.

Os investidores também seguem atentos às ações de Petrobras. Ontem à noite, o plenário da Câmara aprovou o texto base do projeto de criação do Fundo Social com recursos da exploração e da comercialização do petróleo da camada pré-sal, mas ficou para a sessão de hoje a votação de pelo menos 14 pontos de forma separada. O governo pretende concluir a votação da proposta do Fundo Social hoje e, na próxima semana, o projeto que permite a capitalização da Petrobras. O contraponto negativo hoje para a Bovespa na abertura é a continuidade do movimento de realização de lucros nas commodities esta manhã. Ontem, a Bovespa foi muito castigada pela queda das commodities, fechando em baixa de 1,60%, mas acima dos 66 mil pontos.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas, Bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.