Bovespa abre em alta, à espera de PIB dos EUA

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu o dia em alta, após ter interrompido, ontem, uma sequência de cinco pregões de baixa. Hoje a expectativa gira em torno da divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA, antes da abertura dos negócios em Nova York. Às 11h07, o índice Bovespa (Ibovespa) subia 0,67%, para 66.028 pontos,

OLÍVIA BULLA, Agencia Estado

29 Janeiro 2010 | 11h13

A primeira prévia do PIB dos EUA no último trimestre do ano passado será anunciada às 11h30 e deve apontar para uma expansão de 4,8%, em termos anualizados. A agenda norte-americana traz ainda, às 12h45, o índice ISM de atividade dos gerentes de compras de Chicago de janeiro. Em seguida, a Universidade de Michigan publica o dado final do sentimento do consumidor neste mês. Na agenda de balanços, saem os resultados financeiros da Chevron, Honeywell e Mattel.

Os dados de hoje servirão de base para os investidores decidirem se seguem o caminho de alta desenhado ontem pelo Ibovespa ou se retomam o processo de realização de lucros. O noticiário corporativo também volta à tona hoje, deixando em evidência as ações do setor elétrico na Bovespa. Segundo reportagem do jornal Folha de S.Paulo, o governo decidiu renovar as concessões do setor elétrico, que vencem entre 2015 e 2020. Pela medida, o governo descartaria a possibilidade de tomar as licenças para fazer novo leilão e focaria na redução de tarifas para os consumidores. A renovação dos contratos de concessão deve beneficiar as ações de Cemig, Cesp e Copel, que viviam assombradas com a possibilidade de ter de devolver à União boa parte de seus ativos.

Outro destaque no lado corporativo é a estreia no pregão das ações da Aliansce. O preço fixado por ação da empresa de shopping centers foi de R$ 9,00. Ao mesmo tempo, prossegue a temporada de balanços, com a Redecard reportando uma alta de 16,5% no lucro líquido contábil de 2009, somando R$ 1,39 bilhão.

Mais conteúdo sobre:
ações, Bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.