Bovespa abre em alta, com conjuntura doméstica positiva

Após ter se desvalorizado 1,44% na primeira semana de julho, mais uma vez influenciada pela preocupação com juro e inflação nos EUA, a Bovespa começa a semana com disposição de retomar os 37 mil pontos. O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, abriu em alta e subia 0,33% às 10h12, a 36.222 pontos, mostrando um pouco mais de ânimo do que as bolsas nos EUA e na Europa. Em Nova York, o Nasdaq futuro avançava 0,24% e o S&P 500 subia 0,31%, enquanto na Europa as bolsas operam de lado, refletindo o noticiário fraco. A expectativa dos investidores locais é de que a Bovespa possa caminhar menos dependente do mercado internacional nesta semana, ecoando a conjuntura doméstica mais favorável. O Brasil é o país que apresenta os melhores indicadores macroeconômicos entre os emergentes e o que menos tem sofrido os efeitos do ajuste dos preços dos ativos. O Banco Central deve reduzir em 0,50 ponto porcentual a taxa básica de juro na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) da próxima semana, aposta o mercado consensualmente. Do lado político, uma eventual surpresa na corrida presidencial, que seria o crescimento do candidato tucano Geraldo Alckmin, é vista como positiva. Mas o descolamento da Bovespa do cenário externo, por menor que seja, depende do fluxo de recursos estrangeiros. O capital externo parou de sair, mas ainda não mostra entradas consistentes. No noticiário corporativo, os investidores aguardam o balanço do segundo trimestre da Alcoa, o primeiro balanço da temporada nos EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.