Bovespa abre em alta e ensaia reação

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu em alta nesta terça-feira. Embora o mercado de ações de Nova York continue sendo a principal bússola do mercado doméstico, a Bovespa tende a ficar hoje a mercê da briga do vencimento de Ibovespa futuro (principal índice da bolsa paulista) amanhã. O jogo de comprados e vendidos deve adicionar volatilidade aos negócios, tornando ainda mais imprevisível o comportamento do mercado acionário brasileiro. Às 10h17, o Ibovespa subia 0,87%, aos 38.808 pontos. Após dois dias seguidos de realização de lucros, a Bolsa está subindo influenciado nesse começo de dia pela melhora dos índices futuros de ações em Nova York. A escalada de alta do preço petróleo, cujo contrato para junho chegou a ser cotado a US$ 70,07 o barril mais cedo na plataforma eletrônica em Londres, limita um desempenho melhor em Wall Street e ofusca o resultado positivo da Alcoa, que divulgou ontem à noite seu balanço financeiro. As ações da fabricante de alumínio subiam quase 7% no pré-mercado. Às 10h17, o Nasdaq subia 0,19% enquanto o S&P 500 avançava +0,01%. A alta do petróleo reflete os temores de desequilíbrio entre oferta e demanda da commodity por conta das tensões envolvendo o Irã. Aqui, o resultado da pesquisa CNT/Sensus, que sai às 11 horas, pode dar mais munição para a briga em torno do vencimento de Ibovespa futuro. Ontem, a pesquisa Datafolha, que mostrou no final de semana crescimento de três pontos de Anthony Garotinho e queda de dois pontos de Geraldo Alckmin serviu de pretexto para os investidores darem continuidade à realização de lucros. Mas como essa pesquisa foi feita quase no mesmo período do Datafolha, a expectativa é de que venha parecida com o levantamento do final de semana. A notícia positiva é que as entradas, embora pequenas, de capital externo nos primeiros pregões de abril já somam, até o dia 6, saldo de R$ 303,5 milhões, incluindo a entrada de R$ 109,886 milhões na última quinta-feira. E, segundo fonte, na sexta-feira passada teriam entrado mais R$ 55 milhões em capital externo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.