Bovespa abre em alta e oscilações podem marcar o dia

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu em alta, mas a previsão é que a Bovespa oscile, ora para baixo ora para cima. É que hoje é dia de vencimento de opções de ações na bolsa paulista e véspera do vencimento de opções sobre Ibovespa (o principal índice da bolsa) e contratos de Ibovespa Futuro, na quarta-feira. E, em dias como esses, os investidores tendem a atuar para garantir melhores desempenhos de suas carteiras. Às 11h12, a Bovespa subia 0,26%, aos 44.400 pontos. Os investidores das ações da Petrobras estão atentos aos vencimentos e, amanhã, antes da abertura dos negócios, a estatal apresenta seus resultados do quarto trimestre, que já vieram precedidos de expectativa negativa. Na semana passada, o banco de investimentos Merrill Lynch previu queda de 24% no lucro líquido da empresa brasileira no período (ante o quarto trimestre de 2005). Em relatório, o banco atribuiu a previsão aos ganhos limitados da companhia com produção, preços menores de produtos refinados (como a nafta) e contínua pressão de custos na exploração e produção de petróleo. Ainda pesam sobre a Petrobras o recuo de mais de 1% no preço do petróleo em Londres e Nova York. A expectativa de que os países da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) mantenham os níveis atuais de produção, ante declarações feitas pelo Ministro do Petróleo da Arábia Saudita no fim de semana, causa pressão sobre os preços. Hoje, Bradesco, Companhia de Concessões Rodoviárias (CCR) e Embratel divulgaram seus resultados. O Bradesco registrou lucro líquido recorrente de R$ 6,3 bilhões em 2006. O lucro líquido, que teve uma alta de 15,4% em relação ao ano anterior - ficou praticamente em linha com a projeção dos analistas. A CCR anunciou lucro líquido de R$ 547,3 milhões em 2006 e adiou para o terceiro trimestre de 2007 a nova emissão de títulos que programava para este início de ano, de modo a refinanciar e alongar o prazo da sua dívida. Embratel também anunciou lucro, com queda de 39,3% no resultado de 2006 ante 2005, para R$ 105,8 milhões. A receita líquida da empresa aumentou 8,7%, para R$ 8,220 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.