Bovespa abre em alta e sinaliza bom fim de mês

Às 10h21, o índice Bovespa (Ibovespa) avançava 0,57%, para 69.076 pontos

Sueli Campo, da , Agência Estado

29 de março de 2010 | 10h22

A última semana do primeiro trimestre começa positiva, sinalizando que o fim do mês pode ser melhor para a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Os investidores podem aproveitar esses três últimos pregões de março para dar uma puxada nos preços. Esse é o sentimento nas mesas de operações esta manhã. Às 10h21 (de Brasília), o índice Bovespa (Ibovespa) avançava 0,57%, para 69.076 pontos.

O mercado continua respirando aliviado após a União Europeia ter definido um plano de socorro à Grécia na sexta-feira, com participação do Fundo Monetário Internacional (FMI). Nos Estados Unidos e na Europa, as Bolsas sobem com a ajuda das mineradoras. A melhora nos preços dos metais esta manhã em Londres reflete ainda a crescente expectativa positiva em relação ao reajuste em torno do preço do minério de ferro e da mudança no sistema de precificação do minério, que deve passar de anual para semestral ou trimestral. "Essa é uma semana crucial para as negociações entre mineradores e siderúrgicas", afirma Pedro Galdi, estrategista chefe de análise da SLW Corretora. Com o preço do minério no mercado spot (à vista) beirando os US$ 150, a previsão é de um reajuste forte.

O limitador da Bovespa segue sendo a Petrobras, por causa das incertezas sobre a capitalização da empresa. Na sexta-feira, declarações do gerente de Relações com Investidores da companhia, Alexandre Quintão, deixou os investidores ainda mais na defensiva. Segundo ele, para que cumpra seu plano de negócios de US$ 220 bilhões até 2014, a empresa conta com a capitalização. Caso contrário, será preciso reduzir investimentos.

Quintão mencionou ainda que a Petrobras poderá fazer uma chamada de capital apenas entre acionistas preferenciais, caso sua capitalização, que está em análise no Senado, não seja aprovada até junho de 2010.

Tudo o que sabemos sobre:
açõesBovespaValePetrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.