Bovespa abre em alta, mas fôlego é limitado

Às 10h34 (horário de Brasília), o Ibovespa avançava 0,35%, para 67.065,48 pontos

Olívia Bulla, da Agência Estado,

23 de agosto de 2010 | 10h04

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) tenta caminhar um pouco mais nesta semana, com a proximidade do fim do mês justificando ajustes e adequações à nova carteira teórica do índice Bovespa (Ibovespa), que valerá a partir de setembro. Ao mesmo tempo, o mercado local deve continuar travado, aguardando informações sobre a capitalização da Petrobrás e o retorno de investidores estrangeiros. Às 10h34 (horário de Brasília), o Ibovespa avançava 0,35%, para 67.065,48 pontos.

Enquanto os analistas apostam em uma longa discussão sobre a formação do preço do barril de petróleo que será cedido pela União à Petrobrás, os gestores se preparam para a nova composição das carteiras dos índices que entram em vigor na próxima semana. A segunda prévia da carteira teórica do Ibovespa, divulgada na semana passada, confirmou o ingresso de Santander, que entrou na primeira prévia, e incluiu a incorporadora Brookfield. Entre as ações de primeira linha, Vale PNA aparece com participação superior à de Petrobrás PN no Ibovespa.

Também em detrimento da Petrobras, os investidores devem manter a estratégia de seguirem alocados no setor, só que nos papéis da OGX. Hoje, o presidente da China Petroleum & Chemical (Sinopec), Su Shulin, confirmou conversações com a companhia de Eike Batista para comprar uma fatia em um campo de petróleo em águas profundas no Brasil.

No setor de mineração, a Sinochem, outra empresa chinesa, contactou, juntamente com a brasileira Vale, o conselho de administração da canadense Potash, que luta contra uma oferta de aquisição hostil da BHP Billiton. O assunto foi a possibilidade de negociações. No exterior, os investidores ainda aproveitam os últimos dias das férias de verão, mas a semana reserva grandes testes para a economia dos Estados Unidos.

Tudo o que sabemos sobre:
açõesBovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.