Bovespa abre em alta moderada, de olho em Wall Street

O índice Bovespa à vista abriu em alta moderada e avançava 0,23% às 10h13, a 38.776 pontos. O pregão começa sem notícias negativas no horizonte externo e interno. Também não há indicadores econômicos norte-americanos de maior relevância a serem divulgados hoje. Mas se as Bolsas nos EUA seguirem de lado, como apontam os índices futuros de ações, a Bolsa paulista tende também a ter uma comportamento lateral. Às 10h15, em Wall Street, o Nasdaq futuro cedia 0,28% e o S&P 500 registrava variação negativa de 0,09%, com os investidores absorvendo os balanços divulgados na noite de ontem (AMD, Aplle e eBay), ao mesmo tempo em que aguardam os resultados do dia: Google, Honeywell, Eli Lilly e McDonald's. Os investidores também estão à espera de notícias sobre a reunião emergencial da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), que começa às 14 horas, em Doha (Catar), e deverá decidir por corte na produção, embora a percepção seja de que a Opep não será capaz de formalizar um acordo sobre um corte significativo na produção. O petróleo, que começou o dia em baixa nos contratos futuros de novembro, subia levemente nos negócios eletrônicos da Bolsa Mercantil de Nova York, na faixa de US$ 57,70 o barril. O dia deve ser marcado pela volatilidade no mercado de petróleo, o que deverá ter reflexos nos papéis de Petrobras na Bovespa. A decisão ontem à noite do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central de cortar a taxa Selic (juro básico) em 0,50 ponto porcentual já estava mais do que precificada e, dificilmente, vai ter algum impacto nos negócios na Bolsa hoje, embora não deixe de ser uma notícia positiva. Agora, o mercado espera a ata do Copom que sai na próxima semana em busca de sinais sobre a próxima e última reunião do ano do Copom, que será no final de novembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.